Universidade proíbe alunos de posarem para Playboy

A maior universidade batista do mundo advertiu suas alunos de que elas poderiam sofrer penalidades caso posassem para a revista masculina Playboy. Ainda assim, algumas estudantes se encontrar com fotógrafos nesta semana, disse uma porta-voz da publicação. A porta-voz Theresa Hennessey se negou a precisar o número de alunas da Universidade de Baylor que foram entrevistados por fotógrafos da revista, quando estes se hospedaram em um hotel perto da instituição por dois dias nesta semana, mas disse que o número foi bem menor do que em outras universidades, "pois a Baylor é uma instituição afiliada a uma doutrina". A Baylor enviou um e-mail aos alunos relembrando que "a associação com a revista pode ser considerada uma violação do código de conduta". As punições podem variar de uma advertência até a expulsão, disse a porta-voz da universidade, Lori Fogleman. Theresa disse que a Playboy "não pretende causar qualquer problema às mulheres de Baylor". A reação dos alunos da universidade foi variada. Sarah Tinsley, de 23 anos, disse, "eu não sei se a universidade está abusando de poder pois os alunos, logo que chegam a Baylor, aceitam as regras". "Mas acho meio ridículo a universidade tentar ditar o que as pessoas fazem fora dela." Em 2002, uma estudante da Baylor foi suspensa após posar nua para a Playboy, mas a foto dela não apareceu na versão impressa da revista. A fraternidade Sigma Phi Epsilon também foi suspensa após 50 de seus membros apareceram, vestidos, juntos de quatro garotas de biquíni.

Agencia Estado,

20 Abril 2006 | 16h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.