Uribe autoriza famílias de reféns a tentarem contato com Farc

O presidente colombiano, Alvaro Uribe, mudou de atitude e autorizou na sexta-feira que familiares de seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entrem em contato com esta organização. Na manhã de quinta-feira, Uribe declarou à imprensa que "frente a esses bandidos, que todos os dias ameaçam, temos que fortalecer" a luta.O presidente se referia a uma negativa da guerrilha de negociar com o governo. Há dois dias, as Farc anunciaram que não reconhecem o governo como "interlocutor válido" para falar de um acordo humanitário de intercâmbio de reféns. O motivo é o escândalo de parlamentares aliados de Uribe detidos por ligações com paramilitares de direita.A desqualificação das Farc irritou o presidente. Ele reagiupedindo às Forças Militares que "aumentem" as suas ações contra os rebeldes.A política de Uribe consiste em não deixar nas mãos das Farc nenhuma porção do território colombiano.AutorizaçãoEm um comunicado emitido na noite de sexta-feira, o presidente autorizou a Lucy de Gechem, esposa do senador seqüestrado Jorge Gechem Turbay, a buscar um contato direto com as Farc.Em uma coletiva, a senhora Gechem disse que vai buscar a forma de reunir todos os familiares dos seqüestrados políticos. "Penso que podemos formar uma comissão para ver como começamos a fazer os contatos", disse. Ela acrescentou que é possível entrar em contato com as Farc por meio de e-mails.O seqüestro do senador, cometido dentro de um avião comercial que foi obrigado a pousar numa estrada do departamento de Huila (sudoeste do país) em fevereiro de 2002, precipitou a ruptura das negociações de paz iniciadas em 1999 pelo então presidente, Andrés Pastrana.As Farc mantêm seqüestrados, em algum lugar do sul do país, políticas, policiais, militares e três americanos. Alguns deles já estão nas mãos das Farc há quase nove anos.No ano passado houve contatos promovidos pela Espanha, França e Suíça. Mas Uribe interrompeu o processo em outubro, acusando os rebeldes de um atentado numa escola militar de Bogotá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.