Uribe dá mais dinheiro para militares na Colômbia

O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, concedeu nesta sexta-feira uma verba adicional de US$ 214, 4 milhões para gastos em defesa, em momentos de dificuldades para a economia local. A medida foi tomada sob o amparo do estado de emergência vigente, que permite ao governo dispor de recursos adicionais, que serão encaminhados aos ministérios de Defesa, Interior e Fazenda, e também à Polícia Nacional, informou um comunicado oficial. Para este ano, o governo tinha um orçamento militar inicial de 7,5 bilhões de pesos (US$ 2,79 bilhões), que foi insuficiente para financiar os programas de aumento do contingente militar e policial. Uribe quer elevar para o dobro o tamanho da força pública até o final do mandato, em 2006, fazendo chegar a 400 mil o número de efetivos. Além disso, já lançou um plano para criar uma rede de 100 mil informantes civis que vigiarão as estradas. Também anunciou o próximo recrutamento de 15 mil "soldados camponeses", que se somarão às forças militares e de polícia a partir dos locais de residência. Mediante outro decreto emitido no estado de emergência, o governo criou um imposto de 1,2% sobre patrimônios de pessoas e empresas acima de US$ 60.000 para obter em torno de US$ 800.000 destinados a financiar as despesas militares extras. Este imposto será recolhido em quatro parcelas, entre 23 de setembro deste ano e junho de 2003.

Agencia Estado,

30 Agosto 2002 | 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.