Uribe é eleito para o Senado na Colômbia

O ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, retornou aos cargos eletivos no país e conquistou uma cadeira no Senado, o que reforça a oposição ao atual presidente Juan Manuel Santos e pode complicar os esforços por parte do governo de negociar a paz com a guerrilha.

AE, Agência Estado

10 de março de 2014 | 12h29

O partido de Uribe formou a segunda maior bancada no Senado nas eleições parlamentares de ontem, atrás apenas para o partido do atual presidente , cuja coalização perdeu terreno.

Com 97% das urnas apuradas, o Partido Centro Democrático garantiu 20 de 102 assentos no Senado, contra 47 da coalizão do presidente. A agremiação de Santos, o Partido de la U, tem 21 assentos. O esquerdista Polo Democrático perdeu três cadeiras e agora terá cinco senadores, o mesmo número de parlamentares da Aliança Verde.

O destino do Senado dependerá dos conservadores, que garantiram até agora 18 assentos. Mas ainda não está claro se eles farão parte da coalizão de Santos ou se irão para o bloco de oposição com o ex-presidente.

Se os conservadores escolherem apoiar Uribe, a coalizão poderia tentar erguer obstáculos legislativos para qualquer acordo de paz.

Enquanto presidente, Uribe se opôs veementemente a uma solução negociada para o conflito com a Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que já dura 50 anos. Por sua vez, uma das bandeiras de Santos, que busca a reeleição neste ano, é concluir o processo paz com os guerrilheiros.

Quando foi chefe do executivo na Colômbia, entre 2002 e 2010, Uribe enfraqueceu as ações das FARC. O próprio Santos foi ministro da Defesa entre 2006 e 2009. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaeleiçõesUribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.