Uribe é principal vencedor em eleições para o Congresso

Os partidos que apóiam o presidente da Colômbia Álvaro Uribe tiveram a maioria quase absoluta dos votos nas eleições legislativas realizadas neste domingo no país. Com este resultado, Uribe estará seguro caso vença as próximas eleições presidenciais, marcadas para o dia 28 de maio. Ainda em 2005, o presidente aprovou uma reforma constitucional que permite sua candidatura à reeleição. Os uribistas obtiveram 65 cadeiras no Senado e cerca de 90 dos 163 assentos da Câmara. O Partido Conservador Colombiano (PCC), o Partido Social de Unidade Nacional, e o Cambio Radical são os três pilares do presidente Uribe no Congresso. Já as duas principais alianças partidárias da oposição são o tradicional Partido Liberal (PL) e o emergente Polo Democrático Alternativo (PDA). O PL, que pretendia sair mais forte dessas eleições legislativas, fracassou. Os dirigentes da agremiação esperavam conseguir entre 25 e 30 cadeiras no Senado, porém conquistaram apenas 17. Já o candidato do partido à presidência, Horácio Serpa, ainda não sabe se irá concorrer, uma vez que perdeu as eleições de 1998 ao conservador Andrés Pastrana e a de 2002 a Uribe. O PDA, que a pouco a pouco vai se configurando como uma alternativa de esquerda moderada, ficou com 11 senadores. Para analistas, este foi um grande êxito, já que o partido pretendia apenas avançar em seu processo de consolidação, iniciada quando Luis Eduardo Garzón, então do Polo Democrático Independente, ganhou a prefeitura de Bogotá e outros esquerdistas conquistaram várias prefeituras e governos. Os uribistas contaram com os índices de aprovação popular de Uribe, que oscilam, segundo as últimas pesquisas, entre 53% e 70% dos eleitores. As eleições presidências serão realizadas no dia 28 de maio. O segundo turno está marcado para o dia 18 de junho. A abstenção das legislativas girou em torno de 60% do eleitorado, algo habitual nas eleições colombianas.

Agencia Estado,

13 Março 2006 | 20h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.