Uribe é reeleito na Colômbia sem necessidade de segundo turno

O presidente Álvaro Uribe foi reeleito neste domingo nas eleições mais pacíficas da Colômbia em mais de uma década. A vitória de Uribe marca a primeira vez em mais de um século que um presidente é reeleito no país. O resultado também vai na contramão da tendência continental de eleger líderes de esquerda nos últimos anos. Com 85% das urnas apuradas, o conservador Uribe teve 62% dos votos, ultrapassando facilmente os 50% necessários para ganhar o primeiro turno e excedendo as expectativas pré-eleições. Em segundo lugar, com 22% dos votos, ficou o Carlos Gaviria, do partido de esquerda Pólo Democrático Alternativo. O forte apoio a Garivia confirma a ascensão da esquerda democrática no país. Em terceiro lugar ficou Horácio Serpa, do Partido Liberal, com cerca de 12%. As eleições deste domingo aconteceram em um ambiente relativamente calmo - uma das razões pelas quais os colombianos apoiaram Uribe, que é creditado por diminuir os índices de criminalidade e violência, e coordenar uma virada econômica. Os críticos dizem que Uribe mostrou desinteresse pelos programas sociais em um país extremamente pobre e temem que sua reeleição pode levá-lo a fortalecer suas tendências autocráticas. Não houve registro de ataques aos votantes durante as eleições, mas as forças armadas mataram 12 rebeldes em uma série de confrontos com as Farc no fim de semana. Três soldados ficaram feridos. Não ficou claro se os confrontos tinham relação com as eleições. Cerca de 220 mil homens fizeram a segurança de postos eleitorais, shoppings centers e outras áreas sensíveis depois do que os especialistas chamaram de a campanha mais pacífica em mais de uma década em uma nação atingida pela violência envolvendo rebeles esquerdistas, militantes de direita, traficantes de droga e forças de segurança. O pleitoOs 10 mil postos de votação para as eleições presidenciais colombianas deste domingo fecharam suas portas às 16h (18h de Brasília), após oito horas de votações.Mais de 26,73 milhões de cidadãos estavam habilitados a ir às urnas neste pleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.