Uribe se reelege com vitória incontestável

O presidente colombiano, Álvaro Uribe, alcançou seu objetivo de ser reeleito no primeiro turno das eleições realizadas hoje com uma incontestável vitória e 62,23% dos votos. Uribe conseguiu o apoio de mais de 7,33 milhões dos 26,73 milhões de eleitores, quando a Registradoria Nacional, órgão encarregado das eleições, tinha apurado 99% das mesas eleitorais. O resultado supera o de maio de 2002, quando Uribe chegou ao poder, com um forte discurso contra os grupos armados ilegais que implantou na chamada política de "Segurança Democrática", eixo de seu Governo e que prometeu completar em um segundo mandato.Uribe obteve então 5,86 milhões de votos, 54% do total de votos depositados então, que somaram mais de 11,20 milhões, frente aos mais de 12 milhões de pessoas que votaram hoje. O governante acompanhou desde a Casa de Nariño, a sede do Governo em Bogotá, a evolução da votação.O seu principal adversário neste pleito, o senador e ex-magistrado Carlos Gaviria, do esquerdista Pólo Democrático Alternativo (PDA), reconheceu o triunfo de Uribe e afirmou que "quando se submete às regras da democracia, tem que ser educado com o adversário". Gaviria obteve o segundo lugar, com quase 2,59 milhões de votos, 22,03%.Com este resultado, o PDA se consolidou como a segunda força política do país, atrás da Primeiro Colômbia, o movimento que Uribe criou e que é formado por setores dissidentes liberais, como o presidente, junto com conservadores e independentes. "Nós vamos continuar com a bandeira da oposição", reafirmou Gaviria, ao comparecer diante de seus seguidores em um centro de convenções do centro da capital colombiana. O partido de Gaviria superou o Partido Liberal Colombiano (PLC) e o Partido Conservador Colombiano (PCC), os tradicionais do país e que durante muitos anos foram hegemônicos ou se alternaram no poder. O primeiro deles, o PLC, apresentou neste pleito o ex-ministro e ex-embaixador perante a Organização dos Estados Americanos (OEA) Horacio Serpa, que em sua terceira candidatura à Presidência se situou atrás do PDA com pouco mais de 1,39 milhões de votos.O PCC, por sua vez, aderiu à candidatura de Uribe, como fez em 2002, quando fracassou na tentativa de designar um aspirante único à Presidência. O quarto posto foi para o ex-prefeito de Bogotá, Antanas Mockus, líder do independente Movimento Visionários e que concorreu pela Aliança Social Indígena (ASI).Mockus obteve 145.993 votos, 1,24%, seguido do ex-ministro da Justiça e ex-diplomata Enrique Parejo, do Movimento de Reconstrução Democrática Nacional (MRDN), com 44.77 votos, ou 0,38%. O outro candidato, o oftalmologista Carlos Rincón, do chamado Movimento Político Comunal e Comunitário (MPCC), alcançou 20.401 votos, 0,17% do total.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.