Urna com restos de João Paulo II é exposta no Vaticano

A urna com os restos mortais do papa João Paulo II foi retirada ontem da sepultura, na cripta da Basílica de São Pedro, numa cerimônia fechada, da qual participaram o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcísio Bertoni, outros cardeais, funcionários e médicos.

AE, Agência Estado

30 de abril de 2011 | 08h29

O evento marcou a véspera da beatificação do polonês Karol Wojtyla. Serão três dias de celebrações religiosas e atos culturais. A programação começa hoje à noite, com uma vigília de oração, e se encerra na segunda-feira, com uma missa de ação de graças.

O corpo de João Paulo II estava guardado em três urnas: uma de madeira, aquela usada nos funerais, em abril de 2005, que foi guardada em outra urna, de metal, por sua vez depositada numa terceira urna de madeira.

Os restos mortais ficarão expostos para veneração até a madrugada de segunda-feira, "se ainda houver fluxo de devotos", segundo o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi. Às 5 horas, a Basílica de São Pedro será fechada, para preparação da missa de agradecimento, às 10h30. Será a primeira missa dedicada ao Beato João Paulo II. Depois da missa, o novo beato será sepultado sob o altar de São Sebastião, dentro da basílica.

O ponto alto desses três dias de celebrações será a proclamação do novo beato por Bento XVI, amanhã, na Praça de São Pedro, cerimônia que atrairá pelo menos 300 mil fiéis. Pela previsão dos organizadores do evento, cerca de 1 milhão de pessoas deverão acompanhar as cerimônias durante os próximos três dias.

O clima é de entusiasmo e fé. Milhares de peregrinos vindos do exterior e de todas as regiões da Itália invadiram a Cidade do Vaticano. Cartazes com o rosto e frases de João Paulo II se espalham por todos os cantos, da sala de desembarque do aeroporto às avenidas, ruas e praças de Roma. Na Praça de São Pedro, uma tela exibe, de manhã à noite, cenas das atividades de João Paulo II. Na colunata da ala esquerda da Praça de São Pedro, 26 painéis reproduzem, ano a ano, numa espécie de linha de tempo, os principais fatos de seu pontificado.

Até ontem, estava confirmada a presença de 16 chefes de Estado, quatro chefes de governo e representantes de quatro casas reais ou monarquias, entre elas a da Grã-Bretanha, cuja rainha, Elizabeth II, não é católica, mas chefe da Igreja Anglicana, criada pelo rei Henrique VIII após seu rompimento com Roma, no século 16. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.