Federico Anfitti/EFE
Federico Anfitti/EFE

Uruguai e Argentina reabrem fronteiras para turistas

Região do Rio da Prata foi duramente afetada por 20 meses de isolamento

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2021 | 17h05

MONTEVIDÉU - Uruguai e Argentina reabriram nesta segunda-feira, 1, suas fronteiras para todos os turistas imunizados contra a covid-19, após 20 meses de isolamento que incluíram "liberdade responsável", no primeiro, e confinamento obrigatório, no segundo.

Em ambos os países, o setor de turismo foi duramente afetado pela pandemia, que freou as buscas por destinos turísticos como Buenos Aires, as geleiras da Patagônia e as Cataratas do Iguaçu, na Argentina, e Montevidéu e as praias do leste, no Uruguai. 

Apesar do otimismo na região do Rio da Prata, o secretário-geral da Câmara Uruguaia de Turismo, Francisco Rodríguez, expressou preocupação com a cobrança de preços excessivos na retomada. "Neste novo momento, devemos proteger e cuidar dos turistas", disse à imprensa nesta segunda-feira.

O mês de novembro deve ser intenso para o setor turístico do Uruguai, que sediará as finais das copas Sul-Americana, Libertadores e Libertadores Feminina. 

Neste período, a ocupação hoteleira em Montevidéu já está próxima dos 100%. Preços de hospedagem em outras províncias estão acima da média. 

Uma nova realidade

Em declarações à agência Efe, o presidente da Federação das Câmaras de Turismo da Argentina (Fedecatur), Héctor Viñuales, afirmou que a chegada de turistas estrangeiros não significará apenas "mais receita" para o setor, mas também cobertura de "parte do passivo" gerado durante a pandemia e, depois de algum tempo, "superávit para poder investir".

“O turismo estrangeiro dá ao nosso país aquele bônus econômico em termos de turismo que outros segmentos dessa atividade não oferecem”, disse Viñuales.

O fechamento das fronteiras dos dois países em março de 2020 foi um duro golpe para o turismo. Apesar de medidas dos dois governos, como o pagamento de parte dos salários do setor no caso argentino ou os subsídios e isenções fiscais no Uruguai, o impacto foi fatal.

“Perdemos muitos estabelecimentos e há uma modificação de setores nas diferentes cidades (...). É evidente que 187 mil empregos foram perdidos”, disse Viñuales.

Rodríguez, por sua vez, destacou que o setor turístico uruguaio continua a pedir "alguma ajuda" para que mais gente "possa voltar ao trabalho".

Retorno esperado

O Aeroporto Internacional de Carrasco, localizado nos arredores de Montevidéu, começou a receber os primeiros voos com turistas estrangeiros neste segunda-feira. O vice-ministro do Turismo, Remo Monzeglio, se juntou a outras autoridades para receber os viajantes com um grupo de danças folclóricas de Sodré. 

“O mundo hoje nos vê como um dos países que podem receber turismo saudável e, como tal, vamos corresponder a essas expectativas”, disse Monzeglio à imprensa, insistindo que a entrada de viajantes internacionais será “ordenada e metódica" para não colocar em risco a segurança alcançada pelo país na pandemia. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.