EFE
EFE

'Rei da cocaína de Milão' é preso no Uruguai após 23 anos foragido

Rocco Morabito foi detido em Montevidéu depois de haver inscrito sua filha em um colégio uruguaio utilizando o nome verdadeiro

O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2017 | 12h09
Atualizado 04 Setembro 2017 | 15h08

Rocco Morabito, um dos criminosos mais procurados da Itália, chefe da máfia calabresa - a ´Ndrangheta -  foragido desde 1994 por associação ilícita de tipo mafioso e tráfico de drogas, foi detido no domingo 4, em um hotel de Montevidéu, informou o Ministério do Interior do Uruguai. Morabito era procurado pela Interpol, acusado de ter pertencido de 1988 a 1994 ao grupo calabrês. 

Segundo o Ministério, Morabito, de 50 anos, seria encarregado de organizar o transporte de drogas na Itália, sua distribuição em Milão, a tentativa de envio a partir do Brasil de 592 quilos de cocaína em 1992 e de 630 quilos de cocaína em 1993, entre outros delitos. Um mandado internacional de prisão foi emitido em 1995 com o objetivo de encontrá-lo e extraditá-lo para a Itália, onde já foi condenado a 30 anos de prisão.

De acordo com o jornal uruguaio Subrayado, Morabito vivia há 13 anos no balneário de Punta del Este e foi identificado a partir da inscrição de sua filha em um colégio com seu nome verdadeiro.  Após seis meses de investigação, foi possível determinar que ele tinha obtido documentação uruguaia apresentando documentos brasileiros, nos quais aparecia como Francisco Capeletto, segundo o Ministério.

No âmbito da operação, as autoridades também detiveram a mulher de Morabito em uma residência no Departamento (Estado) de Maldonado, e confiscaram uma pistola, uma arma branca, 13 telefones celulares, 12 cartões bancários, dois carros, passaportes portugueses, várias joias e talões de cheques em dólares.

De acordo com a lei uruguaia, Rocco Morabito será enviado à prisão durante três meses, acusado de coautoria de três delitos, falsificação de cédula de identidade e de passaportes e falsificação ideológica, enquanto se tramita sua extradição. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.