Uruguai promulga lei que elimina anistia a militares

O governo do presidente uruguaio José Mujica, promulgou nesta sexta-feira a lei sancionada pela maioria na Câmara dos Deputados que eliminou a anistia aos militares acusados de violações aos direitos humanos durante a ditadura (entre 1973 e 1985).

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2011 | 18h50

A presidência também informou que dois militares reformados, Alberto Gómez Graña e Arturo Aguirre, foram processados e levados à prisão pelo assassinato do argentino Gerardo Alter, ocorrido em 19 de agosto de 1973. Na época, os dois eram capitães, mas não há informações sobre a patente que detinham quando se aposentaram.

A lei foi aprovada na terça-feira pela maioria dos legisladores do partido governista Frente Ampla no Senado e na quinta feita na Câmara dos Deputados. A lei afirma que os crimes cometidos durante a ditadura são crimes de lesa-humanidade e, portanto, não prescrevem. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.