Uruguaios votarão sobre reforma do Estado

Mais de 2 milhões de uruguaios definirão nas urnas o futuro das privatizações no Uruguai. A votação, em forma de plebiscito, ocorrerá neste domingo e determinará se será implementado um pacote de leis do governo do presidente Jorge Batlle que pretende realizar profundas reformas no Estado uruguaio. A polêmica sobre um perfil privatizado ou estatizante da economia uruguaia colocou os partidos da coalizão de governo, os tradicionais e centenários Blanco e Colorado, em confronto com a oposicionista Frente Ampla, de centro-esquerda. A Frente Ampla considera que os setores que seriam privatizados são "estratégicos" e pretende impedir sua passagem para a esfera particular. Entre eles estão a administração dos portos, o transporte ferroviário e os fundos estatais de aposentadorias. O líder da Frente, Tabaré Vázquez, defendeu o plebiscito, afirmando que "os caminhos da democracia direta são os melhores". O governo contra-atacou afirmando que a votação assustará os investidores, que passarão a pensar duas vezes antes de investir no Uruguai. "Isto gera incertezas de segurança jurídica", sustentaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.