Usina atômica japonesa pode demorar um ano para retomar produção

A maior usina nuclear do mundo manteveseguras suas atividades durante e após um terremoto no Japão,mas pode levar mais de um ano para retomar a produção deenergia, disseram inspetores da Organização das Nações Unidas(ONU) nesta sexta-feira. "Vai levar pelo menos meses, talvez um ano ou mais. Euficaria surpreso se levasse menos de um ano", disse PhilippeJamet, inspetor sênior da Agência Internacional de EnergiaAtômica, um braço da ONU. Jamet, líder de uma equipe da AIEA que examinou a usina,disse que inspeções em profundidade no reator deKashiwazaki-Kariwa e em elementos de combustível ainda tinhamque ser realizadas. Se forem descobertos danos, a instalação pode demorar aindamais para retomar a produção de energia, disse ele. A usina vazou pequenas quantidades de radiação --abaixo domáximo permitido sob as regras de segurança-- quando umterremoto de magnitude 6,8 ocorreu em 16 de julho, excedendo oimpacto sísmico que a planta foi projetada para suportar,segundo um relatório de 39 páginas emitido pela AIEA em Viena,sede da entidade. "A instalação se comportou de maneira segura durante e apóso terremoto. Em particular, o fechamento automático foirealizado com sucesso", disse o relatório. A usina permanecerá fechada por tempo indeterminado parainspeções de segurança e o governo japonês solicitou que outrosoperações de instalações nucleares passem por rígidas checagensde segurança. (Por Mark Heinrich e Karin Strohecker)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.