Usina japonesa vaza 45 toneladas de água radioativa

A usina nuclear de Daiichi/Fukushima, no nordeste do Japão, vazou cerca de 45 toneladas de água altamente radioativa de um dispositivo de purificação durante o final de semana, informou a empresa operadora da usina, a Tokyo Electric Power Co. (Tepco). A usina foi atingida por um tsunami em 11 de março e pelo desastre nuclear nos meses seguintes. A Tepco informou que parte da água radioativa pode ter vazado para o Oceano Pacífico.

AE, Agência Estado

05 de dezembro de 2011 | 14h24

O vazamento mostra que a Tepco ainda encontra dificuldades para realizar o fechamento a frio da usina nuclear de Daiichi até o final deste ano. Uma piscina de água radioativa foi descoberta ao meio dia de domingo perto de um dispositivo de descontaminação, disse a Tepco em seu website. Após o equipamento ter sido desligado o vazamento pareceu ser interrompido. Mais tarde, trabalhadores encontraram uma rachadura na barreira de concreto e água que vazava para uma valeta que leva ao mar.

A Tepco estima que pelo menos 300 litros vazaram antes da rachadura ser contida com sacos de areia. Agora, inspetores verificam se a água chegou mesmo ao Oceano. O vazamento de água radioativa no Pacífico, nas semanas que se sucederam ao acidente de 11 de março, causou uma grande preocupação no Japão e no mundo, com a possibilidade de contaminação da vida marinha.

A radioatividade da piscina perto do dispositivo de purificação foi medida no domingo em 16,000 becquerels por litros de césio 134, e 29,000 bequerels por litro de césio 137, disse a Tepco. Isso ficou 270 vezes e 322 vezes, respectivamente, mais alto que os limites de segurança aceitáveis, de acordo com o Centro de Informação Nuclear aos Cidadãos, em Tóquio.

O césio 137 é perigoso porque pode durar por décadas no meio ambiente, liberando radioatividade que provoca câncer. O elemento pode durar 60 anos no meio ambiente, enquanto o césio 134 dura quatro anos.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.