AP
AP

Usina nuclear de Fukushima 'ainda pode estar vazando radiação' no mar

Hipótese também é levantada em artigo da 'Science', que afirma encontrar indícios de contaminação nos peixes

Reuters

26 de outubro de 2012 | 12h19

TÓQUIO - O operador da usina nuclear de Fukushima atingida por um terremoto e um tsuami no Japão anunciou nesta sexta-feira, 26, que não descarta a possibilidade de ainda haver vazamento de radiação no mar.

Veja também:

linkPiada da TV francesa com acidente nuclear irrita governo do Japão

linkGoverno japonês aprova plano para reduzir energia nuclear no país

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Um forte terremoto e tsunami em março de 2011 provocaram colapsos na usina, causando vazamento de radiação, contaminação de alimentos e água e forçando retiradas em massa de moradores da região, embora o governo tenha declarado em dezembro que o desastre estava sob controle.

A declaração da Tokyo Electric Power segue um artigo da revista acadêmica norte-americana Science, que afirmou que altos níveis de radiação em peixes fisgados perto da cidade de Fukushima indicam continuidade no vazamento de radiação da usina nuclear Fukushima Daiichi.

Perguntado se a Tokyo Electric, também conhecida como Tepco, poderia confirmar que a usina não está mais vazando radiação no mar, uma porta-voz disse: "A Tepco não pode dizer tal coisa, mas nós confirmamos que os níveis de radiação estão diminuindo tanto na água do mar quanto no leito marinho ao redor da usina.".

Ken Buesseler, cientista sênior do Woods Hole Oceanographic Institution dos Estados Unidos, disse em seu artigo no site da Science que a pouca mudança nos níveis de césio radioativo encontrados em peixes de Fukushima é um indício de vazamento contínuo. "O fato de que muitos peixes estão tão contaminados com césio 134 e césio 137 hoje quanto estavam há mais de um ano implica que o césio ainda está é para a cadeia alimentar", afirmou.

A pesca ao largo de Fukushima, no norte de Tóquio, é proibida, exceto para teste para algumas espécies, como certos tipos de polvo e lulas, que são exportados apenas quando são considerados seguros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.