Usina nuclear do Irã com ajuda russa começará a operar em um ano

Os governos russo e iraniano chegaram nesta terça-feiraa um acordo sobre a implementação, dentro de um ano, da usinanuclear de Bushehr, às margens do Golfo Pérsico, e o envio decombustível atômico a partir de março de 2007. O vice-presidente iraniano, Gholam Reza Aghazadeh, também chefedo Órgão de Energia Atômica do Irã, anunciou o acordo durante umareunião no Kremlin com o secretário do Conselho de Segurança daRússia, Igor Ivanov. Aghazadeh pedia à Rússia a conclusão da construção em seis meses.Ele aceitou o prazo russo de um ano, após duas rodadas denegociações com o chefe da Agência Atômica Russa (Rosatom), SergueiKiriyenko. "Conseguimos bons resultados com Kiriyenko sobre a conclusão dasobras da usina nuclear e acertamos os prazos de envio do combustívelatômico ao Irã", disse Aghazadeh, citado pela agência russaInterfax. Serguei Shmatko, chefe da estatal russa encarregada da edificaçãode Bushehr, a Atomstroyexport, confirmou que a central iranianaentrará em funcionamento em setembro do próximo ano, para serconectada à rede energética dois meses mais tarde. Segundo as duas partes, o acordo assinado nesta terça-feira prevê o envio aoIrã de 80 toneladas de combustível atômico russo em março. Moscou assinou no início de 2005 um acordo com Teerã parafornecer combustível nuclear para Bushehr. Kiriyenko nega qualquer vinculação entre o projeto e a atualcrise nuclear iraniana. "Não existe nenhum risco de enriquecimentode urânio nas instalações de Bushehr e de uso de materiais nuclearescom fins não pacíficos", afirmou. A central de Bushehr, de 1.000 megawatts de potência, fica a 12quilômetros da cidade do mesmo nome, às margens do Golfo Pérsico. A usina começou a ser construída em 1975. Mas a corporação alemãSiemens abandonou a obra após a Revolução Islâmica (1979). Aretomada do projeto foi acertada por russos e iranianos em 1995, porUS$ 780 milhões. O Irã está interessado em assinar um acordo de cooperação com aRosatom para a construção de novas usinas atômicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.