Usina nuclear do Japão sofre queda de energia

Quatro reservatórios de combustível da usina de Fukushima Daiichi do Japão estão sem resfriamento de água há mais de 15 horas devido a uma queda de energia. No entanto, a empresa operadora da usina disse que está tentando reparar o painel de controle danificado que pode ter causado o problema.

AE, Agência Estado

19 de março de 2013 | 00h41

A Tokyo Electric Power, operadora da usina, disse que a temperatura do reservatório está dentro dos níveis de segurança, apesar do leve aquecimento. A empresa acrescentou que ainda havia muito tempo para resolver o problema antes que o limite máximo de 65 graus fosse atingido.

A marca de 65 graus é considerada como o limite para manter o reservatório dentro dos níveis de segurança.

A operadora estava preparando um sistema de reserva caso os reparos não corrigissem os problemas, disse o representante da empresa, Masayuki Ono, a repórteres.

O centro de comando da usina sofreu uma breve queda de energia na manhã desta segunda-feira. A eletricidade foi restaurada rapidamente para o centro de comando, mas não para os equipamentos de bombeamento de água que são usados para resfriar os reservatórios.

A empresa estava investigando a causa da queda de energia e acredita que pode ter ocorrido devido a problemas com um painel de controle, que está sendo reparado.

O secretário-chefe do gabinete do governo do Japão, Yoshihide Suga, afirmou que o governo está ciente da preocupação pública sobre a queda de energia, mas está confiante de que o problema será resolvido dentro dos próximos dias.

"Estamos cientes de que a principal preocupação é de que o reservatório de combustíveis número 4 alcance uma temperatura de mais de 65 graus", disse Suga. Mas ele acrescentou que a temperatura não chegará a este nível por mais quatro dias, tempo em que espera que o problema seja resolvido. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
japãousinanuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.