Usina nuclear japonesa de Sendai recebe aprovação regional para voltar a operar

Usina nuclear japonesa de Sendai recebe aprovação regional para voltar a operar

A medida representa uma vitória para o governo de Shinzo Abe, que defende a importância da energia nuclear para o país

MARI SAITO, REUTERS

07 de novembro de 2014 | 08h02

Autoridades regionais japonesas aprovaram nesta sexta-feira o reinício de operação da usina nuclear de Sendai, da Kyushu Electric Power Co, abrindo caminho para a retomada do setor mais de três anos após o desastre de Fukushima.

A medida representa uma vitória para o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe, que defende a importância da energia nuclear para o Japão e pressiona pela reativação dos 48 reatores desligados do país.

A usina de Sendai, com dois reatores, fica 1.000 quilômetros a sudoeste de Tóquio, na localidade de Kagoshima. A instalação já havia recebido um importante endosso para ser religada por parte do governo municipal no mês passado.

"Decidi que é inevitável reiniciar os reatores nucleares número 1 e número 2 de Sendai", disse a repórteres o governador Yuichiro Ito. "Eu já disse que garantir a segurança é um pré-requisito (para o reinicio), e que o governo deve garantir a segurança e publicamente explicar cuidadosamente para os moradores."

A usina de Sendai não deve ser religada até o ano que vem, uma vez que a empresa operadora ainda precisa realizar testes de segurança.

As ações da Kyushu Electric subiram 4.0 por cento nesta sexta-feira, enquanto o índice Nikkei da bolsa de Tóquio subiu 0,5 por cento.

Se voltar a operar, a usina de Sendai será a primeira a ser religada no Japão sob os cuidados de um novo órgão regulador independente criado após o desastre de 2011 em Fukushima, em que um terremoto seguido de tsunami provocou vazamentos nucleares na usina da Tokyo Electric Power Co.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAONUCLEARSENDAIAPROVACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.