Uso de produtos químicos gera melancias explosivas na China

Em cultivos no leste do país, cerca de dois terços das melancias detonaram; suspeita-se que a utilização de forchlorfenuron (um acelerador de crescimento) e cálcio tenha causado o problema

EFE,

18 de maio de 2011 | 02h28

PEQUIM - O uso de produtos químicos para acelerar o cultivo fez com que 46 hectares de plantação de melancias, no leste da China, literalmente explodissem. O caso é investigado pelas autoridades, após outros escândalos de segurança alimentar no país.

 

Os casos foram registrados nos últimos dias em povoados do município de Danyang, onde as plantações da fruta ficaram arruinadas devido ao uso de forchlorfenuron (um acelerador de crescimento) e cálcio, relatou a agência oficial Xinhua.

 

Em alguns dos cultivos, dois terços das melancias explodiram, muitas delas um dia depois de os agricultores utilizarem os produtos químicos, segundo contou Liu Mingsuo, um dos agricultores.

 

O curioso fenômeno pode ter sido causado pela inexperiência de muitos dos agricultores, já que em alguns povoados da região, como Dalu, o número de cultivadores de melancias duplicou este ano, após o êxito das colheitas em 2010.

 

Especialistas assinalaram que muitos injetaram o acelerador de crescimento tarde demais, embora tenham acrescentado que a seca na bacia do Yang Tsé pode ter contribuído para as explosões.

 

Também indicaram que não é tão estranho que as melancias tenham explodido, assegurando ser normal que, em alguns casos, cerca de 10% dos cultivos se percam por este motivo, embora nesta ocasião o número de casos pareça ser muito maior.

 

Alguns camponeses da região, porém, afirmam que não usaram esses aditivos químicos e que, ainda assim, suas melancias também explodiram.

 

O caso acontece em meio a uma onda de notícias sobre estranhas manipulações em alimentos para o consumo humano na China, o que elevou a preocupação da opinião pública do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.