Uso indevido de instalações médicas na Síria preocupa a ONU

A ONU está "extremamente preocupada" com relatos de que instalações e veículos médicos estão sendo usados para fins violentos na Síria, disse na terça-feira um porta-voz do secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon.

Reuters

09 de outubro de 2012 | 19h49

"Instalações médicas, equipamentos e pessoal não devem ser alvejados nem usados para propósitos militares", disse o porta-voz Martin Nesirky em nota. "Todas as partes envolvidas no conflito devem respeitar o direito humanitário internacional e assegurar que os civis não sejam alvejados."

Nesirky não disse se as acusações se referem às forças do governo de Bashar al Assad, aos rebeldes que o enfrentam há 18 meses, ou a ambos. Usar recursos médicos como parte de ações militares constitui um grave crime de guerra, assim como atacá-los.

Ativistas dizem que mais de 30 mil pessoas já foram mortas na rebelião contra Assad, que começou como uma série de protestos por democracia, para posteriormente dar lugar a uma guerra civil. A ONU estima que até 335 mil sírios já tenham se tornado refugiados por causa do conflito.

(Reportagem de Michelle Nichols)

Tudo o que sabemos sobre:
ONUSIRIAINSTALACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.