Vacina sul-africana contra Aids mostra resultados promissores

Pesquisadores sul-africanosdisseram na sexta-feira terem ficado animados com o resultadode dois estudos sobre a Aids indicando que as vacinas podem, umdia, ser eficientes no controle dos níveis do vírus HIV (dadoença) e, até mesmo, na prevenção desse mal. Dados preliminares de um teste clínico envolvendo 480pessoas não contaminadas pelo vírus, metade delas moradores daÁfrica do Sul, mostrou que a maioria experimentou uma respostaimunológica positiva depois de ter recebido a vacina HVTN 204. Um sistema imunológico saudável pode contribuir para evitaruma contaminação pelo HIV, ao passo que as pessoas com umsistema imunológico comprometido vêem-se, com frequência, maissujeitas a contraírem o vírus. "Trata-se, realmente, de boas notícias. Esse é um marcoimportante, mas ainda temos um longo caminho a percorrer",afirmou Gavin Churchyard, principal pesquisador envolvido noestudo. As declarações dele foram dadas em um encontro patrocinadopela Iniciativa Sul-Africana da Vacina contra Aids e realizadoem Johanesburgo. Segundo Churchyard, os efeitos colaterais da vacinamostraram-se, em regra, de leves a moderados. Um outro teste clínico realizado com uma vacina de DNAdesenvolvida pela FIT Biotech, da Finlândia, mostrou resultadosigualmente promissores com um grupo menor de portadores do HIV,em sua maioria moradores de Soweto, uma área urbana depopulação negra localizada ao sul de Johanesburgo. Cerca de 5,5 milhões de sul-africanos, ou por volta de 12por cento do total da população nacional, estão contaminadospelo HIV e mil deles morrem todos os dias em virtude da Aids,fazendo desse um país importante para os esforços de criação deuma vacina contra a doença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.