Vai 300 o total de mortos por tornados nos EUA

Estado do Alabama é o mais afetado, com mais de 200 fatalidades; Obama visitará região

Agência Estado

29 de abril de 2011 | 11h21

Morador de Smithville, no Mississippi, busca pertences em casa destruída.

 

TUSCALOOSA - O número de mortes causadas pelos tornados que se formaram no sul dos EUA subiu para 300, informaram as autoridades nas primeiras horas desta sexta-feira, 29. É a pior crise de furacões desde abril de 1974, quando 315 pessoas morreram por conta das tempestades no Meio Oeste.

 

Veja também:

especialGALERIA: Imagens de destruição nos EUA

 

O Estado mais afetado é o Alabama, que concentra mais de dois terços das mortes. São 213 mortes no Estado, 34 no Tennessee, 32 no Mississippi, 15 na Georgia, cinco na Virgínia e uma no Arkansas. O alto número de fatalidades é surpreendente, já que a região conta com equipamentos sofisticados de detecção de furacões e previsão do tempo.

 

O presidente Barack Obama deve visitar nesta sexta a cidade de Tuscaloosa, uma das mais afetadas pelos ciclones, onde vai se encontrar com o governador do Alabama, Robert Bentley, e famílias atingidas. Na quinta, o presidente assinou uma declaração de desastre para o Estado que vai permitir o envio de ajuda federal aos que procurarem o governo.

 

"Nós não podemos controlar quando ou onde a tempestade irá ocorrer, mas podemos controlar como responder a isso", disse Obama. Segundo ele, todo norte-americano afetado pelo desastre pode estar certo de que o governo federal "fará tudo que nós podemos para ajudar você a se recuperar e ficará ao seu lado enquanto você reconstrói".

 

Na quinta, pessoas tentavam voltar para suas casas, lidando com a falta de eletricidade e de ajuda, além da pouca segurança. "É uma devastação. Nunca vi isso", disse o senador Richard Shelby ao visitar a cidade de Tuscaloosa. "Esta é a pior devastação por tornado que eu já vi."

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtornadosmortesfuracões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.