Vai a 14 total de feridos perto de base afegã dos EUA

Subiu para 14 o total de feridos por um carro-bomba que explodiu perto de uma base militar na capital do Afeganistão, hoje. Entre os feridos, oito eram norte-americanos e seis, afegãos, segundo informou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). O ataque aconteceu horas depois de homens armados terem matado quatro policiais no sul afegão.

AE-AP, Agencia Estado

26 de janeiro de 2010 | 21h07

O Taleban reivindicou o ataque, em uma mensagem de texto enviada de um telefone geralmente usado pelo grupo insurgente. O alvo foi um comboio internacional militar, segundo o grupo extremista.

O atentado ocorreu perto da base dos Estados Unidos de Camp Phoenix, dentro de Cabul. O agressor dirigia um micro-ônibus carregado de explosivos e feriu pelo menos seis civis afegãos, segundo o chefe da unidade de investigações criminais do Afeganistão, Jamil Jumbish.

O episódio de violência elevou temores de que os militantes possam tentar realizar mais ataques antes da conferência internacional sobre o Afeganistão, que será realizada na quinta-feira, em Londres.

Senhores da guerra

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, recolocou no cargo de chefe de Estado Maior das Forças Armadas, o general Abdul Rashid Dostum. Ele perdera o posto em 2008 porque não cooperou com as investigações sobre disparos feitos contra um rival.

Dostum está entre os mais conhecidos senhores da guerra do Afeganistão, acusado de amplos abusos, incluindo o massacre de milhares de prisioneiros do Taleban.

Embora o cargo represente pouco poder real, autoridades ocidentais e grupos de direitos humanos afegãos veem a indicação como um sinal de que Karzai continua incapaz de se desfazer de suas ligações com os senhores da guerra e com poderosos regionais.

A comunidade internacional pressiona o governo afegão a tomar ações mais duras contra grupos extremistas, enquanto os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) intensificam a guerra contra o Taleban.

O ministro de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, David Miliband, disse ontem que vai pressionar Karzai a cancelar a nomeação quando se encontrar com o líder afegão durante a conferência internacional sobre o Afeganistão, nesta semana, em Londres.

"Como temos lembrado repetidas vezes, os Estados Unidos mantém suas preocupações sobre qualquer papel de liderança do o senhor Dostum no Afeganistão de hoje", disse a porta-voz da embaixada norte-americana, Caitlin Hayden.

Dentre outras objeções, os críticos temem que a nomeação envie um sinal errado para o Taleban num momento em que o governo se prepara para oferecer aos militantes incentivos econômicos para que abandonem a insurgência, um programa que deve ter destaque na conferência de Londres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.