Vai a 14 total de militares brasileiros mortos no Haiti

O Comando do Exército divulgou hoje novo boletim atualizando o total de militares brasileiros mortos no terremoto no Haiti, ocorrido na terça-feira: o número de aumentou para 14. O Exército informa também que há 14 militares feridos e quatro desaparecidos. O presidente haitiano, René Préval, disse ontem que o terremoto pode ter causado a morte de 30 mil a 50 mil pessoas no país. Horas antes, o primeiro-ministro Jean-Max Bellerive tinha dito à CNN que as vítimas podiam chegar a 100 mil.

ROSANA DE CASSIA, Agencia Estado

14 de janeiro de 2010 | 07h56

O tremor de 7 graus na escala Richter devastou um país já arruinado pela pobreza. Se as adversidades eram frequentes, o cenário ficou ainda mais sombrio. "Acho que o Haiti volta 15 anos no tempo", afirmou Ricardo Seitenfus, representante especial no Haiti da Organização dos Estados Americanos (OEA). O prédio da Organização das Nações Unidas (ONU), onde ele trabalhava, desabou, matando 14 pessoas.

O tunisiano Hedi Annabi, chefe da missão de paz, e o vice-representante especial, o brasileiro Luiz Carlos da Costa, foram dados como mortos. O Brasil comanda a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah). Os militares brasileiros que perderam a vida no tremor são:

- 1º Tenente Bruno Ribeiro Mário;

- 2º Sargento Davi Ramos de Lima;

- 2º Sargento Leonardo de Castro Carvalho;

- 3º Sargento Rodrigo de Souza Lima;

- Cabo Douglas Pedrotti Neckel;

- Cabo Washington Luis de Souza Seraphin;

- Soldado Tiago Anaya Detimermani;

- Soldado Antonio José Anacleto;

- Soldado Felipe Gonçalves Julio;

- Soldado Rodrigo de Souza Lima, todos do 5º Batalhão de Infantaria Leve, sediado em Lorena, no interior de São Paulo.

- Cabo Arí Dirceu Fernandes Júnior e soldado Kleber da Silva Santos, ambos do 2º Batalhão de Infantaria Leve, sediado em São Vicente, no litoral paulista.

- Subtenente Raniel Batista de Camargos, do 37º Batalhão de Infantaria Leve, sediado em Lins, também no interior de São Paulo.

- Coronel Emilio Carlos Torres dos Santos, do Gabinete do Comandante do Exército, sediado em Brasília-DF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.