Vai a 15 número de mortos em atentado na Somália

Subiu para 15 o número de mortes em um ataque à bomba hoje na Somália. O coronel Abdilahi Hassan Barise, um porta-voz policial, disse que os ministros da Educação, Educação Superior e da Saúde estavam entre os mortos. A violência ocorreu durante uma cerimônia de graduação em uma universidade. O evento, em um hotel da capital Mogadiscio, marcava a graduação de alunos de Medicina, Ciências da Computação e Engenharia. O ataque levou a novas dúvidas sobre a capacidade de o fraco governo local controlar mesmo a pequena área da capital somali.

AE-AP, Agencia Estado

03 de dezembro de 2009 | 13h13

"O que aconteceu hoje é um desastre nacional", afirmou o ministro da Informação, Dahir Mohamud Gelle, confirmando as mortes das autoridades. Os ministros de Esportes e Turismo ficaram feridos. Dos três ministros mortos, havia uma mulher, a titular da Saúde, Qamar Aden Ali. Os outros eram o ministro da Educação Superior, Ibrahim Hassan Adow, e da Educação, Ahmed Abdullahi Wayel.

Bashir Khalif, um repórter do serviço de rádio do governo somali, informou que dois funcionários da imprensa também morreram na explosão, um repórter de rádio e um câmera. Dois outros jornalistas se feriram com gravidade, segundo ele.

Nenhum grupo até o momento reivindicou o atentado, realizado por um homem disfarçado com roupas de mulher. O principal suspeito é o grupo al-Shabab, que controla boa parte do país e tem vínculos com a Al-Qaeda.

Tudo o que sabemos sobre:
Somáliaatentadoministrosmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.