Vai a 9 total de mortos por homem vestido de Papai Noel

Homem frustrado por divórcio foi à festa de Natal de seus ex-sogros e abriu fogo contra convidados

Agência Estado e Associated Press,

26 de dezembro de 2008 | 08h48

Subiu para nove o número de pessoas mortas por um atirador vestido de Papai Noel em Los Angeles, na Califórnia. Um homem frustrado por um recente divórcio foi à festa de Natal de seus ex-sogros e abriu fogo contra os convidados. A polícia havia informado inicialmente que encontrou seis cadáveres na casa, mas estavam desaparecidos os ex-sogros e a ex-mulher de Bruce Pardo, único suspeito pelos crimes. Segundo autoridades locais, o agressor ainda incendiou a residência e depois se suicidou.O acusado incendiou a residência utilizando um dispositivo de fabricação caseira que lançava líquido inflamável. Nenhuma das vítimas foi até o momento identificada. Pardo, de 45 anos, não tinha antecedentes criminais nem histórico de ser violento, segundo a polícia. Porém, estava descontente por causa do divórcio, na semana passada, após um casamento de apenas um ano. "Não foi um divórcio amistoso", disse o tenente da polícia Pat Buchanan.O massacre começou quando uma garota de 8 anos abriu a porta depois que Pardo tocou a campainha. Ele então sacou uma pistola e disparou contra a menina. Em seguida começou a atirar indiscriminadamente contra os cerca de 25 convidados, que tentavam fugir. Três feridos estão no hospital e devem sobreviver.A polícia informou que Pardo trabalhou recentemente na indústria aeroespacial. Após a ação, Pardo tirou a fantasia e foi até um automóvel, segundo testemunhas e a polícia. Ele seguiu para a casa do irmão, a 40 quilômetros de Los Angeles, no subúrbio de Sylmar. Não havia ninguém na casa e quando a polícia chegou Pardo estava morto, com um tiro na cabeça.Pardo era freqüentador da Igreja Católica em Montrose, onde inclusive era um dos encarregados de receber os fiéis que chegam ao templo. O diretor dos acomodadores da igreja, Jan Detanna, ficou chocado quando soube do caso. "Era o sujeito mais agradável que alguém podia imaginar. Sempre um prazer falar com ele, sempre com um grande sorriso."   (Matéria atualizada às 16h40)  

Tudo o que sabemos sobre:
EUAhomicídioPapai Noel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.