Reprodução/Dog Lovers for Joe
Reprodução/Dog Lovers for Joe

‘Vamos colocar os cachorros de volta na Casa Branca’, diz novo anúncio de campanha de Biden

Vídeo lembra que o presidente republicano, Donald Trump, é o primeiro inquilino da Casa Branca em mais de cem anos a não ter um cão de estimação na residência oficial

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 03h00

A campanha do democrata Joe Biden lançou uma nova estratégia que costuma ter um grande apelo com boa parte dos eleitores: os cachorros. Um grupo de apoio a Biden, o Dog Lovers for Joe (Amantes de cães por Joe, em tradução livre) lançou um vídeo que repassa todos os ex-presidentes americanos que tiveram um cachorro na Casa Branca.

O vídeo lembra que o presidente republicano Donald Trump é o primeiro inquilino da Casa Branca em mais de cem anos a não ter um cachorro de estimação na residência oficial. E lembra um discurso em que ele debochou da ideia. A campanha então faz um convite para que os eleitores coloquem os cachorros de volta na Casa Branca, ressaltando que tanto Biden quanto sua companheira de chapa, a senadora Kamala Harris, têm cachorros de estimação.

 

A peça mostra os ex-presidentes com seus peludos e os nomes deles, como Ronald Reagan e Lucky (um Bouvier des Flandres); George H.W. Bush e Millie (uma springer spaniel inglês); Bill Clinton e Buddy (labrador); George W. Bush e seu Barney (um scottish terrier) e Barack Obama com Bo (um cão de água português). 

No fim do vídeo, Biden aparece com seu pastor alemão Champ, com a mensagem: "Escolha seus humanos com sabedoria". 

A campanha de Joe Biden também publicou no Twitter um vídeo com imagens de outros cachorros que "apoiam" a chapa Biden/Kamala: 

"Eu estava vendo todas aquelas fotos maravilhosas de Joe Biden e cachorros na internet e achei aquilo interessante”, disse Rob Schwartz, um dos idealizadores do vídeo, ao site AdAge. Ele explica que decidiu então investigar se havia alguma ciência por trás da ligação entre cães e líderes e encontrou artigos que apoiam a ideia de que “os cães basicamente trazem o melhor das pessoas”. 

Depois disso, explicou, também descobriu que os cães eram um fator unificador entre republicanos, democratas e eleitores de Estados-chave. "De repente, a ideia simplesmente se materializou”, diz Schwartz. “Nós a criamos e gostamos do que vimos.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.