'Vamos demolir a burguesia', diz Chávez sobre eleições na Venezuela

Presidente diz que vitória do chavismo no domingo é crucial para triunfo nas presidenciais de 2012

estadão.com.br,

21 de setembro de 2010 | 15h25

  Chávez faz campanha em Táchira. Foto: Divulgação/Miraflores/Efe  

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse nesta terça-feira, 21, que seus candidatos do Partido Socialista Unificado da Venezuela vão vai 'demolir a burguesia' nas eleições parlamentares do próximo dia 26.

Veja também:

linkNas vésperas das eleições, governo Chávez faz denúncias de 'sabotagem'

especialInfográfico: Raio X das eleições na Venezuela

"Vamos demolir a burguesia apátrida. No domingo vamos expulsar da Venezuela os burgueses sem pátria", disse Chávez em um comício no Estado de Táchira, no oeste do país, governado pela oposição, segundo a AFP.

No próximo domingo, 17, 7 milhões de venezuelanos estão aptos para eleger os 165 deputados da Assembleia Nacional. Na Venezuela, o voto não é obrigatório.

Para Chávez, uma vitória é essencial para aprofundar seu projeto político. Além disto, a votação servirá para medir seu apoio popular. Em 2012, o presidente deve concorrer a um terceiro mandato.

"Primeiro temos de ganhar no domingo para ir a 2012. O povo necessita de uma Assembleia Nacional de verdade. De deputados como os nossos", afirmou Chávez.

O presidente ainda disse que uma vitória da oposição colocaria a perder o que sua revolução bolivariana construiu. "Imaginem se um esquálido (termo que Chávez usa para se referir aos opositores) chega a Miraflores. Tiraria tudo que a revolução deu a vocês, o que não é um presente, mas um direito", disse.

"Enquanto Chávez for presidente, seguirei trabalhando sem descanso com os deputados da revolução, com os governos e com os prefeitos da revolução".

Eleições parlamentares

Nas últimas eleições parlamentares, em 2005, a votação foi boicotada pela oposição, o que deu ao governo o controle do Legislativo.  Com a economia e a segurança pública em crise, e unificados sob o partido Mesa de la Unidad Democrática, os antichavistas esperam fazer um bom número no Parlamento para impedir que o presidente siga com maioria.

Em janeiro, no entanto, o Conselho Nacional Eleitoral aprovou uma redistribuição de distritos eleitorais que pode favorecer o Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV), fundado pelo presidente.

Para manter sua base de apoio, o chavismo manipulou o desenho dos distritos de modo que lhe favoreça - ainda que, globalmente, receba um número menor de votos. Distritos dominados pelo governo foram divididos.

Ao mesmo tempo, circunscrições onde a oposição tinha pequena vantagem foram unificadas com regiões vizinhas chavistas. E distritos com maioria de votos opositores foram realinhados para reduzir o número de eleitos - numa região que elegeria dois opositores, apenas um vencerá. A justificativa para as mudanças é aproximar o eleitor de seu domicílio eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.