Vantagem de Chávez sobre Capriles cai para 10 pontos

De acordo com o instituto Datanálisis, a dias da eleição, maioria dos indecisos tem optado por candidatura da oposição

CARACAS, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2012 | 03h08

O candidato da oposição venezuelana, Henrique Capriles, diminuiu para 10 pontos porcentuais a vantagem do presidente Hugo Chávez na preferência do eleitorado, indica uma pesquisa do instituto privado Datanálisis divulgada ontem. O líder bolivariano tem 49,4% das intenções de voto. Capriles conta com 39%. Ainda de acordo com o levantamento, 11% dos eleitores preferiram não declarar o voto para a eleição de 7 de outubro.

Em junho, a vantagem de Chávez era de 15 pontos porcentuais. Em agosto, caiu para 12,5 pontos. De acordo com o presidente do Datanálisis, Luís Vicente León, a estratégia de campanha de Capriles, de buscar um contato corpo a corpo com o eleitorado, está surtindo efeito. Desde julho, o oposicionista visitou mais de 260 cidades na Venezuela. Chávez, que teve de enfrentar uma dura batalha contra um câncer pélvico nos últimos 15 meses, preferiu focar sua campanha em discursos transmitidos na televisão. Embora tenha participado de eventos e comícios, o fez em menor escala do que em campanhas anteriores.

Ainda de acordo com o diretor da pesquisa, nos últimos seis meses, oito entre dez indecisos optaram por votar em Capriles. Se essa tendência continuar, a vantagem de Chávez pode cair no dia da eleição para 3 pontos porcentuais.

"A chance de a vantagem cair existe, porque a tendência não é pequena", disse León. "Se os números se comportarem da maneira que têm se comportado, pode ser um número perigoso para Chávez."

Entre os eleitores independentes, conhecidos na Venezuela como "nini" (nem Chávez, nem oposição), Capriles lidera por 58,3% a 41,7%. É esse setor do eleitorado, avalia o diretor do Datanálisis, que decidirá a eleição.

A margem de erro é de 2 pontos, para mais ou para menos. A pesquisa ouviu 1.600 pessoas entre 26 de agosto e 5 de setembro e foi paga por um grupo de 100 clientes, que inclui empresas privadas e órgãos do governo. Na Venezuela, há uma disparidade grande entre as pesquisas patrocinadas pelo governo e as organizadas por entidades privadas. O instituto GIS XXI, chefiado pelo ex-ministro chavista Jesse Chacón, estima que Chávez tem 56,6% da preferência e Capriles, 30%.

Outros institutos privados, como Consultores 21 e Alianzas, dão vantagem a Capriles. Em 2006, Chávez foi reeleito com 62% dos votos. Nas eleições legislativas de 2010, o chavismo obteve 48% dos votos e a oposição, 47%. / AP e NEW YORK TIMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.