Vargas Llosa chama atitude de López Obrador de ´palhaçada´

O escritor peruano Mario Vargas Llosa chamou nesta quinta-feira de "uma palhaçada" a série de mobilizações promovidas pelo candidato esquerdista à Presidência mexicana Andrés Manuel López Obrador, que denunciou uma fraude nas eleições em que foi derrotado. Vargas Llosa descreveu como "antidemocrático" o comportamento do líder do Partido da Revolução Democrática (PRD), que se autoproclamou presidente, negando-se a reconhecer sua derrota."O México não pode cair num populismo tão absolutamente anacrônico, de democracia nas ruas", disse o escritor à imprensa em Washington, após uma conferência no Instituto Cato, um centro de estudos que promove o livre mercado."Eu espero que isso vá desinflando cada vez mais. É uma palhaçada lamentável, que só pode prejudicar o país inteiro", acrescentou. López Obrador liderou um movimento de protesto que bloqueou o centro da Cidade do México durante um mês e meio.Nesta sexta-feira, Felipe Calderón, vencedor das eleições de 2 de julho, toma posse. Ele ficou pouco mais de 200 mil votos à frente de López Obrador, num total de 41 milhões."Calderón parece um liberal moderno e ao mesmo tempo muito consciente do problema social enorme, da pobreza, das enormes desigualdades, da corrupção. Acho que o México entra num período que pode ser muito positivo", elogiou Vargas Llosa.O escritor, que disputou as eleições de seu país em 1990 com uma plataforma a favor do livre mercado, mas perdeu para Alberto Fujimori, também comentou o muro que os Estados Unidos pretendem construir em parte da fronteira com o México."O muro me parece um disparate. O que me tranqüiliza é que tenho a certeza absoluta de que ele nunca será construído. Ele vai ser uma espécie de ficção política", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.