AP Photo/Bram Janssen
AP Photo/Bram Janssen

Variante do coronavírus se alastra pela África do Sul e eleva casos e mortes

Nova cepa até 50% mais transmissível já foi encontrada em 31 países e passou a dominar os novos casos no país africano

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2021 | 11h00

CIDADE DO CABO - A África do Sul já foi um dos países mais atingidos pelo coronavírus, mas desde que uma nova variante mais transmissível foi anunciada há seis semanas, os novos casos e mortes ultrapassaram em muito as ondas anteriores do pandemiaUm levantamento da Universidade Johns Hopkins mostra que o país é o mais afetado do continente africano, com 1,43 milhão de contaminações e 42.550 mortes. 

Acredita-se que a variante tenha surgido na província de Eastern Cape, na África do Sul, mas agora foi encontrada em pelo menos 31 países, gerando temores de que sua disseminação para novas partes do mundo possa levar a novas ondas de contágio. 

A variante identificada ainda não provou ser mais letal do que outras, incluindo variantes altamente transmissíveis recentemente detectadas no Reino Unido e no Brasil, mas as mutações que a tornam cerca de 50% mais fácil de ser capturada permitiram que ela assumisse o controle do que era transmissão comunitária já fora de controle na África do Sul.

“Dos casos que sequenciamos na África do Sul, mais de 90% são da nova variante”, disse Richard Lessells, pesquisador chefe da Plataforma de Sequenciamento de Pesquisa e Inovação KwaZulu-Natal, pioneira na identificação de variantes do coronavírus na África do Sul e em outros lugares.

“É incrível e assustadora a rapidez. E parece que estamos nos estágios iniciais desta variante e de outras novas que estão se tornando mais dominantes em todo o mundo”. A ascensão fez com que dezenas de países implementassem proibições aos viajantes que recentemente estiveram na África do Sul, incluindo os Estados Unidos.

A situação coincidiu com um anúncio da produtora de vacinas Moderna dizendo que os anticorpos que sua vacina cria eram menos eficazes em neutralizá-la do que as variantes do coronavírus anteriormente dominantes. A empresa disse que está desenvolvendo uma nova injeção de reforço e testando um regime de três doses como forma de aumentar a eficácia da vacina contra a variante. 

Na quinta-feira, a Pfizer e seu parceiro de pesquisa BioNTech divulgaram um estudo ainda a ser revisado mostrando que sua vacina foi ligeiramente menos eficaz contra a variante da África do Sul, embora as descobertas tenham sido limitadas porque analisaram o efeito da vacina em duas das 23 mutações totais. 

Estudos sul-africanos também documentaram dezenas de casos de pessoas que contraíram cepas anteriores do coronavírus sendo infectadas com a nova variante, sugerindo a possibilidade de reinfecção.

Hospitais sobrecarregados

Na África do Sul, apesar do retorno a um confinamento e a um toque de recolher mais rígidos, muitos hospitais estão sobrecarregados, especialmente em Eastern Cape, que se tornou o epicentro da propagação da nova variante. Estatísticas divulgadas esta semana pelo Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul mostram que os números de mortalidade excessiva disparam quase que diretamente nas nove províncias do país.

“Ambulâncias e familiares disseram que iriam dirigir de hospital em hospital por até seis horas procurando um local para conseguir um pouco de oxigênio”, disse Imtiaz Sooliman, fundador de uma das maiores organizações de caridade da África do Sul, Gift of the Givers, que tem tem ajudado a distribuir máquinas de oxigênio. “Pessoas morreram em carros enquanto esperavam para serem admitidas na enfermaria ou morreram antes de serem vistas.”

Phumla Mnyanda, que dirige um hospital com 260 leitos na cidade de Bhisho disse que as postagens nas redes sociais espalharam informações erradas sobre maneiras de evitar hospitais onde pessoas estavam morrendo, evitando que um número maior de pessoas procurasse os locais quando sentiram os primeiros sintomas.

Mas, à medida que os pacientes se aproximavam da morte, as famílias os levavam às pressas para o hospital para descobrir que pouco poderia ser feito. “Eles estavam chegando tarde demais e, a essa altura, seus níveis de oxigênio estavam muito baixos,”, disse ela. “As pessoas estão com tanto medo porque muitos morreram.”

Os números de mortalidade excessiva indicam que mais de 110 mil provavelmente morreram de covid-19 na África do Sul desde maio, embora o número oficial de mortes esteja um pouco acima de 41 mil. 

Se a maior parte desse excesso de mortes pode ser atribuída ao covid-19, o que a maioria dos especialistas sul-africanos acredita que sim, então o número de mortos no país seria o mais alto em proporção de sua população no mundo.

Debbie Bradshaw, uma pesquisadora do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul, disse que embora o país tenha boa reputação de registrar a maioria das mortes, aquelas que ocorreram fora dos hospitais muitas vezes não foram diagnosticadas. 

"Achamos que a maioria das mortes confirmadas só estão sendo relatadas nos hospitais, enquanto há muitos que deixam os hospitais antes de morrer ou nunca chegam aos hospitais”. Apesar de ser potencialmente a causa de dezenas de milhares de mortes, a variante sul-africana foi sequenciada por pesquisadores menos de 700 vezes. A variante britânica, por outro lado, foi sequenciada quase 30 mil vezes. Quase 80% das sequências variantes da África do Sul foram encontradas na África do Sul e outros 10% no Reino Unido. 

As fronteiras terrestres da África do Sul foram fechadas para viagens não essenciais, mas uma longa lista de exceções significa que milhares de pessoas ainda as cruzam todas as semanas. Elas também permaneceram abertas durante os feriados de dezembro, quando muitos trabalhadores migrantes voltaram para seus países de origem. 

Alguns desses países vizinhos como Zâmbia, Moçambique e Malawi viram o número de casos aumentar após meses de relativa calma. “Estamos engajados em uma grande quantidade de ciência colaborativa com parceiros ao redor do mundo tentando entender o que causou essa ascensão”, disse.

O consenso é que não é por acaso que novas variantes surgiram na África do Sul, Reino Unido e Brasil, que sofreram algumas das maiores ondas iniciais do vírus no mundo. Era provável que, em lugares onde o vírus estava atingindo um grande número de pessoas que já tinham anticorpos, ele sofresse mutação para encontrar novos hospedeiros com mais facilidade. “Nossos fracassos em impedir a disseminação da comunidade quase certamente levarão a ainda mais novas variantes”, disse Lessells. / W. Post 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.