Henry Nicholls/Reuters
Henry Nicholls/Reuters

Variante indiana ameaça reabertura no Reino Unido e faz governo acelerar vacinação

Embora Boris Johnson tenha dito que o país não iria atrasar os planos para aliviar as restrições na segunda-feira, ele alertou que a propagação da variante pode forçar o governo a mudar de curso

Marc Santora e Elian Peltier / The New York Times, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2021 | 17h01

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse nesta sexta-feira, 14, que os protocolos de vacinação seriam alterados para entregar rapidamente segundas doses a pessoas com mais de 50 anos para combater a propagação de uma variante do coronavírus detectada pela primeira vez na Índia, um sinal de alerta para os países que estão flexibilizando as restrições.

“Acreditamos que essa variante seja mais transmissível do que as anteriores”, disse Johnson. O que permaneceu obscuro, disse, era quanto mais transmissível. A taxa de infecção da variante detectada pela primeira vez na Índia continua a ser objeto de intenso estudo e alguns dos principais especialistas disseram que é muito cedo para avaliar sua transmissibilidade.

Se for significativamente mais transmissível, disse ele, "enfrentaremos algumas escolhas difíceis". Ele acrescentou que não havia evidências de que a variante tivesse maior probabilidade de causar doenças graves e morte, e não havia evidências que sugerissem que as vacinas eram menos eficazes contra a variante na prevenção de doenças graves e morte.

Embora ele tenha dito que o país não iria atrasar os planos para aliviar as restrições na segunda-feira, ele alertou que a propagação da variante pode forçar o governo a mudar de curso. “Esta nova variante pode representar uma séria interrupção do nosso progresso”, disse ele em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

O número de casos envolvendo a variante, conhecida como B.1.617, aumentou de 520 na semana passada para 1.313 casos nesta semana no Reino Unido, de acordo com estatísticas oficiais. Até que ponto a variante se espalhou globalmente não está claro, porque a maioria dos países não possui os recursos de vigilância genômica empregados na Inglaterra.

Essa capacidade de vigilância permitiu que as autoridades de saúde britânicas detectassem o surgimento de variantes preocupantes mais rapidamente do que outras nações, oferecendo uma espécie de sistema de alerta precoce quando uma variante vista em um país quase invariavelmente aparece em outros.

A maioria dos casos detectados no Reino Unido ocorre no noroeste da Inglaterra. O foco tem sido em Bolton, uma cidade de quase 200 mil habitantes que tem uma das maiores taxas de infecção do país e onde as autoridades de saúde alertaram sobre a disseminação da variante pela comunidade.

Alguns casos também foram relatados em Londres. A rápida disseminação da variante levou as autoridades a debaterem sobre a aceleração dos cronogramas de dosagem e a abertura do acesso a injeções em pontos críticos para grupos de jovens.

Alívio de restrições em perigo

As restrições nacionais na Inglaterra estão programadas para serem atenuadas na segunda-feira, com o retorno de serviços internos de restaurantes e entretenimento, antes da reabertura completa em junho. Mas as autoridades alertaram que esses planos podem estar em perigo.

Na Escócia, a primeiro-ministra Nicola Sturgeon disse nesta sexta-feira que os planos para aliviar as restrições em Glasgow seriam adiados pelo menos uma semana devido à preocupação com um aumento nos casos que as autoridades disseram estar sendo impulsionados pela variante.

Muito se desconhece sobre a nova variante, mas os cientistas temem que ela possa ter impulsionado o aumento de casos na Índia e possa alimentar surtos em países vizinhos.

Maria Van Kerkhove, a líder técnica da resposta ao coronavírus da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse que um estudo com um número limitado de pacientes sugere que os anticorpos de vacinas ou infecções com outras variantes podem não ser exatamente eficaz contra a B.1.617. A agência disse, no entanto, que as vacinas provavelmente permanecerão potentes o suficiente para fornecer proteção contra doenças graves e morte.

Autoridades britânicas disseram que a variante parece ser mais contagiosa do que a variante B.1.1.7, que foi detectada no ano passado, em Kent, a sudeste de Londres, e causou uma nova onda, forçando o país a adotar um dos os mais longos bloqueios nacionais do mundo. A variante B.1.1.7 agora foi encontrada em países ao redor do mundo.

A variante B.1.617 foi encontrada em amostras de vírus de 44 países e foi designada uma variante preocupante pela OMS esta semana, o que significa que há alguma evidência de que pode ter um impacto sobre diagnósticos, tratamentos ou vacinas e precisa ser monitorada de perto.

Christina Pagel, membro de um grupo de cientistas que assessoram o governo, conhecido como SAGE, disse que adiar a reabertura da próxima semana evitaria "o risco de mais incertezas, fechamentos mais prejudiciais e recuperação mais longa de uma situação pior".

“Precisamos aprender com a experiência anterior”, disse Pagel, diretora da Unidade de Pesquisa Operacional Clínica da University College London, no Twitter.

O Reino Unido reabriu brevemente sua economia no fim do ano passado, apenas para impor abruptamente novas restrições que permaneceram em vigor por meses enquanto o país lutava contra uma onda mortal de infecções.

Em uma tentativa de oferecer pelo menos proteção parcial ao maior número de pessoas o mais rápido possível, o Reino Unido aumentou o intervalo entre as doses das vacinas contra o coronavírus em dois estágios em até 12 semanas. Isso foi muito mais longo do que o intervalo de três ou quatro semanas empregado pela maioria dos outros países.

Johnson disse que aqueles com mais de 50 anos agora poderão receber uma segunda dose após oito semanas. “É mais importante do que nunca que as pessoas recebam a proteção adicional de uma segunda dose”, disse ele.

A rápida implementação salvou pelo menos 11,7 mil vidas e evitou que 33 mil pessoas ficassem gravemente doentes na Inglaterra, de acordo com uma pesquisa divulgada pelo Public Health England na sexta-feira. Infecções, doenças graves e mortes despencaram no Reino Unido. Apenas 17 mortes foram relatadas nesta sexta-feira.

Mas a campanha de vacinação desacelerou desde o mês passado por conta da falta de abastecimento e da necessidade de começar a distribuição de segundas doses. O número de primeiras doses diárias em média no mês passado foi de 113 mil, muito abaixo da média de 350 mil doses diárias administradas em março.

Apenas aqueles com mais de 38 anos são atualmente elegíveis para a vacinação. Ainda não está claro se o país tem suprimentos de vacina disponíveis para se mover rapidamente e acelerar a vacinação de grupos de idades mais jovens.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.