Phil Noble/REUTERS
Phil Noble/REUTERS

Um homem foi morto durante noite de esfaqueamentos em Birmingham, diz polícia

Sete pessoas também ficaram feridas, duas em estado grave. Primeiros elementos da investigação indica que houve briga entre gangues

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2020 | 03h17

LONDRES - Um homem foi morto e mais sete pessoas ficaram feridas, duas em estado grave, durante uma série de esfaqueamentos em Birmingham, centro da Inglaterra, informou a polícia neste domingo, 6.

"Agora podemos confirmar que lançamos uma investigação de assassinato após os eventos de ontem à noite", disse a polícia de West Midlands.

"Um homem morreu e outro homem e uma mulher sofreram ferimentos graves. Cinco outros também ficaram feridos."

De acordo com os primeiros elementos da investigação, aberta por homicídio, nada permite pensar nesta fase em hipótese "terrorista" ou de crime de ódio, mas sim um conflito entre gangues, explicou um dos policiais , Steve Graham, em uma coletiva de imprensa.

Em um comunicado, a polícia disse ter recebido, por volta da meia-noite no horário local (20h30 no horário de Brasília), um chamado de uma pessoa que teria sido esfaqueada no centro da cidade. As autoridades confirmaram que outros incidentes similares aconteceram logo depois na mesma área.

"Ainda não sabemos o que aconteceu e pode demorar um pouco para confirmarmos qualquer coisa. Nestas primeiras horas seria inapropriado especular as causas do incidente", diz o comunicado.

Segundo a BBC, a polícia isolou ruas da região de Gay Village.

Cordões policiais foram instalados em três locais distintos no centro da cidade: Hurst Street, Irving Street e Edmund Street.

Uma faca foi vista por uma testemunha da Reuters ao lado de um ralo na Edmund Street.

Cara Curran, que trabalha nas boates do Arcadian Center, complexo de bares, restaurantes e vida noturna da cidade, disse à AFP que presenciou várias lutas, mais violentas do que as que costumam acontecer nas noites de sábado.

O jovem de 18 anos descreveu uma noite "com muita tensão".

“Não eram as lutas usuais que envolviam uma ou duas pessoas”, explicou. “Eram grupos de 15, 16 pessoas. As pessoas se envolviam porque os amigos saíam dos clubes para ver o que estava acontecendo”.

Ele também relatou ter ouvido "calúnias raciais" que nunca tinha ouvido antes neste lugar "multicultural", sem entender por que esses termos eram usados.

Algumas testemunhas afirmaram no Twitter que ouviram tiros, mas a polícia também disse na rede social que não havia informação sobre isso "no momento".

"Nós relataremos os fatos quando pudermos. Nossas informações devem ser precisas", tuitou a polícia de West Midlands.

Andy Street, prefeito de West Midlands, condado do qual Birmingham faz parte, se pronunciou pelo Twitter: "Peço que as pessoas não especulem sobre o incidente em Birmingham. Meus pensamentos estão com os que foram afetados". Segundo Street, a polícia deve realizar uma coletiva de imprensa na manhã deste domingo, 6.

Ataques recentes

Em 20 de junho, três homens foram mortos com uma faca em um parque em Reading, uma cidade a oeste de Londres. A investigação está nas mãos da polícia antiterrorista.

O suspeito Khairi Saadallah, um refugiado líbio de 25 anos, foi acusado de três assassinatos e três tentativas de assassinato.

Segundo sua família, ele sofria de problemas mentais devido à guerra civil na Líbia.

Saadallah foi libertado da prisão no início de junho, depois de ser encarcerado por vários meses por crimes não relacionados ao "terrorismo", incluindo um assalto. /Com informações de AFP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.