Vaticano diz que tortura foi pior do que 11/9 para os EUA

O escândalo dos abusos praticados por soldados americanos contra prisioneiros no Iraque é um golpe nos Estados Unidos pior do que os atentados de 11 de setembro, afirmou o ministro do Exterior do Vaticano a um jornal italiano. Numa entrevista publicada no diário romano La Repubblica, o arcebispo Giovanni Lajolo considerou os abusos "um trágico episódio nas relações com o Islã", e previu que o escândalo irá alimentar o ódio contra o Ocidente e o cristianismo."A tortura? Um golpe mais sério para os Estados Unidos do que o 11 de setembro. Só que o golpe não foi infligido por terroristas, mas por americanos contra eles mesmos", teria dito Lajolo. O chanceler afirmou que "pessoas inteligentes nos países árabes entendem que numa democracia tais episódios não são encobertos e são punidos... Ainda assim, a vasta maioria das pessoas - sob a influência da mídia árabe - não pode sentir outra coisa que não seja aversão e ódio contra o Ocidente".E, acrescentou, "o Ocidente é muitas vezes identificado com o cristianismo". Para Lajolo, a prioridade da coalizão liderada pelos EUA deveria ser "colocar o mais rápido possível na chefia do Executivo iraquiano um líder iraquiano que fale aos iraquianos em árabe e não em inglês". O presidente dos EUA, George W. Bush, tem marcado um encontro com o papa João Paulo II em 4 de junho no Vaticano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.