Vaticano entra em disputa com China por pressão

O Vaticano advertiu a China para o fato de que os esforços de reconciliação entre as duas partes sofrerá um revés, caso bispos leais ao papa sejam forçados a comparecer à ordenação de um bispo de uma igreja apoiada pelo Estado chinês.

AE, Agência Estado

18 de novembro de 2010 | 15h15

Um comunicado divulgado hoje pela Santa Sé afirma que o comando da Igreja Católica estava "perturbado pelas notícias" de que os bispos estão sendo pressionados por funcionários do governo a comparecer à ordenação em Chenhde, na província de Hebei, nordeste do país, marcada para este fim de semana.

O texto afirma que a Santa Sé considerará esse fato como uma "grave violação da liberdade de religião e da liberdade de consciência". Na China, é permitido rezar apenas nas igrejas apoiadas pelo Estado, mas milhões de pessoas pertencem a congregações não oficiais, leais à Igreja Católica. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanoChinareligião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.