Vaticano: liberdade de expressão não pode ofender crenças

A liberdade de expressão não pode ofender as crenças religiosas, segundo um comunicado emitido hoje pelo Escritório de Imprensa da Santa Sé. "O direito à liberdade de pensamento e expressão, reconhecido na Declaração Universal dos Direitos do Homem, não pode implicar o direito de ofender o sentimento religioso dos crentes. Princípio que, obviamente, vale para qualquer religião", diz a nota.O comunicado foi divulgado por ocasião das perguntas sobre a posição do Vaticano a respeito da publicação em jornais europeus de charges que os muçulmanos consideraram ofensivas ao profeta Maomé. A nota acrescenta que "a convivência humana exige um clima de mútuo respeito para que a paz entre os homens e as nações seja favorecida". O comunicado destaca ainda que qualquer "forma de crítica exasperada e de ridicularização dos outros demonstra uma falta de sensibilidade humana e em, alguns casos, pode constituir provocações inadmissíveis".Segundo o Escritório de Imprensa do Vaticano, "a História ensina que não é por esse caminho que se curam as feridas existentes na vida dos povos".O comunicado também diz que é óbvio que as ofensas feitas por uma só pessoa ou um meio de comunicação "não podem ser imputadas às instituições públicas desse país, cujas autoridades poderão e deverão, eventualmente, intervir segundo os princípios da legislação nacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.