Alberto Pizzoli/AP
Alberto Pizzoli/AP

Vaticano não vai copatrocinar iniciativa palestina de hastear bandeira na ONU

Cidade-Estado europeia pediu que menções em projeto de resolução preparado para a Assembleia-Geral sejam removidas

O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2015 | 11h58

NOVA YORK - O Vaticano pediu na terça-feira que a missão palestina na ONU remova todas as referências à cidade-Estado em um projeto de resolução preparado para a Assembleia-Geral, no qual farão um apelo para que as bandeiras da Palestina e da Santa Sé tremulem na ONU.

O projeto de resolução palestino, visto pela Reuters, diz que as bandeiras de observadores não-membros seriam "içadas na Sede e Escritórios das Nações Unidas, depois das bandeiras dos Estados membros da Organização das Nações Unidas".

A proposta de resolução refere-se especificamente ao "Vaticano e o Estado da Palestina". Ambos são Estados observadores não membros da ONU.

A iniciativa foi apresentada um mês antes de o papa Francisco pronunciar um grande discurso em uma reunião de alto nível da Assembleia Geral da ONU, para os 193 membros da organização, em 25 de setembro.

Atualmente, apenas bandeiras dos Estados-membros tremulam na sede da ONU. Diplomatas da ONU dizem que os Estados Unidos e Israel, que não reconhecem o Estado palestino, provavelmente ficarão irritados com qualquer iniciativa para içar a bandeira palestina na sede da entidade em Nova York.

A resolução, que diplomatas disseram que os palestinos poderiam apresentar já nesta quarta-feira, 26, tinha sido aparentemente preparada sem o consentimento explícito da missão do Vaticano na ONU. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanoPalestinaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.