Vaticano nega suposta ligação de papa com ditadura

Pressionado pela polêmica em torno da suposta colaboração de Jorge Mario Bergoglio com organismos de repressão da ditadura militar da Argentina, o Vaticano lançou ontem uma ofensiva para livrar o nome do religioso das denúncias. O porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi, definiu as acusações como "caluniosas e difamatórias" e promovidas por grupos ideológicos "anticlericais de esquerda" para atacar a imagem da Igreja.

AE, Agência Estado

16 de março de 2013 | 08h08

O pronunciamento foi o primeiro movimento oficial do Vaticano para responder as críticas que ganharam novo fôlego após o fim do conclave, na quarta-feira à noite, que resultou na unção de Bergoglio como pontífice.

Uma das acusações diz respeito a suposta omissão em caso envolvendo o sequestro de dois padres jesuítas, Orlando Yorio e Francisco Jalics, em 1976. Bergoglio, então com 39 anos, era o superior direto de ambos. Yorio e Jalics teriam recebido uma ordem para deixar Buenos Aires, a qual teriam desobedecido. Três meses após o golpe militar promovido pelo general Jorge Videla, os padres foram sequestrados. Para os críticos de Bergoglio, a exclusão dos dois teria sido interpretada pela ditadura como uma autorização implícita para realizar o sequestro.

O porta-voz da Santa o defendeu. "Nunca houve uma acusação concreta e credível ao seu encontro. A Justiça argentina o interrogou uma vez, mas apenas como pessoa conhecedora dos eventos. Mas ele nunca foi imputado por nada." De acordo com o Vaticano, Francisco teria respondido às acusações "de forma fundamentada, com provas".

O cardeal de Viena, Christoph Schönborn, negou as especulações sobre o suposto passado obscuro do papa. "Eu não sei de detalhes de sua relação com o governo. Mas sei que isso não procede", disse. O arcebispo de Santiago, Javier Errázuriz Ossa, também saiu em defesa de Bergoglio. "Um homem com tal coração jamais estaria envolvido em nada desse estilo", declarou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
papaVaticanoditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.