Vaticano nomeia primeiro bispo na Mongólia

Um padre filipino foi declarado o primeiro bispo da Igreja Católica na Mongólia. Ele dirigirá uma comunidade de 179 católicos em um dos países mais importantes da religião budista. A Mongólia é um dos alvos do trabalho missionário do Vaticano na Ásia. Wenceslaw Padilla, que é missionário católico na Mongólia desde 1992, recebeu o cargo de bispo na sexta-feira em uma cerimônia a que compareceram cerca de mil pessoas na capital do país. Sua nomeação aconteceu na primeira igreja da Mongólia, um prédio circular nos moldes da tradicional tenda mongol. Entre as pessoas que compareceram à cerimônia estavam monges budistas e um padre da Igreja Ortodoxa da Mongólia. O papa, que considerou ir ao país para nomear o bispo Padilla, foi representado pelo cardeal Crescenzio Sepe. Com 2,5 milhões de habitantes, e apenas 179 fiéis católicos, a Mongólia vive um surto de religiosidade desde que o regime comunista caiu em 1990. Católicos, mórmons e também os budistas experimentaram um forte aumento no número de fiéis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.