Vaticano: Papa não deve mais vir ao Brasil em julho

Com a renúncia, o Papa Bento XVI não deve vir ao Brasil em julho deste ano, como estava previsto. As autoridades responsáveis pela organização da Jornada Mundial da Juventude, maior encontro internacional de jovens com o Papa, que seria realizada no Rio de Janeiro, ainda não sabem o que deve acontecer.

FILIPE DOMINGUES, ESPECIAL PARA A AE, Agência Estado

11 de fevereiro de 2013 | 20h54

Em entrevista à agência de notícias alemã DPA, o irmão do Papa, Georg Ratzinger, que vive em Regensburg, Alemanha, afirmou que o pontífice foi aconselhado por seu médico a não fazer mais viagens transatlânticas e que ele deveria se afastar do trabalho por alguns meses por motivos de saúde.

Ratzinger afirmou que seu irmão está com dificuldades cada vez maiores para andar e que sua renúncia faz parte de um "processo natural". "A idade está pesando", afirmou o irmão mais velho, de 89 anos. "Meu irmão quer descansar."

Há pouco, o porta-voz do Vaticano, Pe. Federico Lombardi, comentou que Bento XVI tomou a decisão de renunciar nos últimos meses e que seu vigor diminuiu nos último meses. Pe; Lombardi acrescentou que a decisão foi "amadurecida" ao longo do tempo.

Respondendo à pergunta sobre se o Papa conversou com alguém antes de renunciar, Pe. Lombardi disse: "É evidente que é uma decisão absolutamente pessoal, com consciência e grande responsabilidade com relação a Deus e a Igreja, que merece máximo respeito e admiração". "Se conversou com alguém na sua autonomia e liberdade, não é objeto de comunicação", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanoBento XVIrenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.