Vaticano pede remédios acessíveis para pobres

Os preços dos medicamentos devem ser acessíveis aos países mais pobres e não lhes pode ser impedida uma produção nacional, afirmou hoje o Vaticano em uma nota dirigida à Organização Mundial do Comércio (OMC). A Santa Sé afirmou ainda que na formação dos preços dos medicamentos devem ser considerados também "fatores sociais".A nota é assinada pelo monsenhor Diarmuid Martin, observador permanente da Santa Sé na OMC. Embora não "seja o único aspecto do direito à saúde, a disponibilidade dos remédios é, sem dúvida, um aspecto essencial e um preço aceitável continua sendo um fator determinante", afirma o comunicado.O Vaticano reconheceu que os altos custos podem depender do nível de investigação da indústria farmacêutica e científica, mas afirmou que "não é eticamente aceitável a justificativa de fixar preços elevados para atrair investimentos e reforçar as pesquisas, deixando de lado considerações dos fatores sociais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.