Vaticano recebe mais de 60 mil e-mails contra a guerra

O correio eletrônico do Vaticano entrou em colapso devido ao excesso de mensagens procedentes de todas as partes do mundo que comentam os riscos da guerra, apóiam os esforços do papa em favor da paz e criticam os presidentes George W. Bush e Saddam Hussein. Mais de 60.000 mensagens eletrônicas chegaram até esta terça-feira para o endereço eletrônico do Vaticano e algumas delas sugerem que o papa João Paulo II vá a Bagdá. Nas últimas horas, aumentou o número de mensagens enviadas, provocando o bloqueio das linhas, depois que uma senhora australiana colocou na rede o e-mail administrativo das escritórios do Vaticano, indicando-o como possível destinatário das mensagens contra a guerra. Sobretudo a partir da Índia, segundo fontes católicas asiáticas, seguiram milhares de e-mails. Muitos deles sugerem a ida de João Paulo a Bagdá, e muitíssimos mais enviam recados em tom muito crítico a Bush, sendo menos numerosas - mas dignas de nota - as mensagens anti-Hussein.A sala de imprensa do Vaticano, interpelada sobre a ocorrência, limitou-se a dizer que "realmente chegaram muitas mensagens", mas não deu detalhes sobre os conteúdos. No entanto, soube-se que o site "bombardeado" pelos pacifistas ficou inutilizado para sua função administrativa específica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.