Vaticano registrou 600 crimes em 2002

Roubos, furtos e casos de insulto a funcionários públicos são alguns dos 600 delitos cometidos no Vaticano em 2002, arquivados em volumosas pastas à espera do pronunciamento da Justiça. Não houve nenhum homicídio. A informação foi divulgada pelo procurador-geral de Justiça da Santa Sé, Nicola Picardi, às vésperas da abertura do 74º ano judicial, que pela primeira vez será celebrada com uma cerimônia, precedida por uma missa. "Depois de mais de 70 anos, a instituição sente-se consolidada", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.