Vaticano se oferece para mediar crise de reféns no Iraque

Funcionários do Vaticano disseram que a Santa Sé está disposta a atuar como mediadora na tentativa de libertar os reféns estrangeiros seqüestrados no Iraque. "Na teoria qualquer coisa é possível, mas na realidade a situação é difícil porque não está claro quem está capturando os italianos e os demais (reféns)", disse o arcebispo Fernando Filoni, o enviado papal em Bagdá, informou a Rádio Vaticano.Pelo menos 21 estrangeiros foram seqüestrados na semana passada. Um dos quatro italianos capturados foi morto, no primeiro assassinato divulgado de um refém no Iraque. Filoni também questionou se "há uma vontade política de negociar. Em princípio, estamos abertos para dar qualquer tipo de ajuda". Outro funcionário da Santa Sé, cardeal Renato Martino, disse que a Igreja tem uma longa tradição como mediadora e negociadora da paz. Martino, que dirige o Conselho de Paz e Justiça do Vaticano, disse não ter dúvidas de que um pedido à Santa Sé nesse sentido não seria recusado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.