Vazamento de cádmio em rio da China ameaça água de milhões

Um vazamento de cádmio de uma mineradora poluiu uma grande extensão de dois rios no sul da China, e autoridades alertaram cerca de 3,7 milhões de pessoas em Liuzhou, na região de Guangxi, a evitar beber água do rio por temores de contaminação com o elemento cancerígeno, relatou a mídia estatal nesta sexta-feira.

KEN WILLS, REUTERS

27 de janeiro de 2012 | 11h49

A poluição dos córregos por resíduos tóxicos de fábricas e fazendas é um problema grave na China, levando as autoridades a clamar por políticas que exijam a eliminação da poluição por metais pesados, embora o problema não mostre sinais de estar sendo solucionado.

Autoridades abriram canais em quatro estações hidrológicas no rio Longjiang, um tributário do Liujiang que passa por Liuzhou, na esperança de diluir os poluentes depois que o metal tóxico cádmio foi detectado quase duas semanas atrás em Hechi, afirmou a agência estatal de notícias Xinhua.

Muitos peixes morreram apesar dos esforços de bombeiros locais de dissolver o elemento derramando centenas de toneladas de agente neutralizante no rio, e as autoridades relataram uma corrida dos moradores apavorados para comprar água potável.

A Xinhua diz que as autoridades culparam a mineradora Guangxi Jinhe pelo vazamento de 15 de janeiro, mas não estava claro há quanto tempo a empresa vinha descartando o produto químico no rio ou quanto foi liberado.

Centenas de moradores próximos da fonte do vazamento ainda dependem de água engarrafada, já que os poços também foram contaminados.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINARIOVAZAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.