Vazamento de documentos deixa Europa indignada

A Europa reagiu com indignação ao vazamento de cerca de 250 mil documentos secretos dos EUA. Embora não reconheçam publicamente, muitos dos tradicionais aliados de Washington não gostaram das observações feitas por diplomatas americanos. O governo alemão fala em "danos consideráveis", o italiano não esconde um "mal-estar", enquanto o francês se recusou a comentar o caso.

, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

A reação mais contundente veio do premiê da Itália, Silvio Berlusconi, que é retratado como um frequentador assíduo de "festas loucas até altas horas da madrugada". Segundo o "Corriere della Sera", o premiê teria dado uma gargalhada ao ver os documentos, pois achou que o estrago "seria pior". Em seguida, esbravejou contra o que chamou de "notícias fabricadas por funcionários de terceiro escalão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.