AP Photo/Carolyn Kaster
AP Photo/Carolyn Kaster

Vazamento de perguntas de investigação sobre ingerência russa irrita Trump

Presidente americano afirmou que seria 'difícil obstruir a Justiça por um crime que nunca foi cometido' ao se referir à suspeita de que sua equipe de campanha se aliou a Moscou em 2016 e disse ser 'escandaloso' o vazamento de informações sigilosas para a imprensa

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2018 | 12h54

WASHINGTON - Donald Trump qualificou de "escandaloso" nesta terça-feira, 1º, o vazamento para o jornal The New York Times das perguntas que o procurador especial Robert Mueller pretende lhe fazer sobre a suspeita de conluio entre sua equipe de campanha e a Rússia.

Procurador que investiga ingerência russa em eleição americana tem perguntas a Trump

"Inventaram um delito absurdo, o conluio, que nunca existiu e uma investigação que começou com um vazamento ilegal de informações confidenciais", criticou o presidente em um de seus tuítes matinais.

Na noite de segunda-feira, o New York Times publicou dezenas de perguntas Mueller quer que Trump responda. O teor das perguntas enviadas à Casa Branca parece indicar que a equipa do procurador se interessa por uma potencial obstrução de Justiça por parte do presidente.

"Pareceria muito difícil obstruir a Justiça por um crime que nunca foi cometido! Caça às bruxas!", alegou Trump, em um segundo tuíte.

Promotora brasileira participa de cerco federal a Donald Trump

Reveladas na noite de segunda-feira, as perguntas podem ser agrupadas em vários temas: sobre Michael Flynn, ex-conselheiro de Segurança Nacional; sobre a demissão de James Comey, então diretor da Polícia Federal americana (FBI); sobre Jeff Sessions, secretário de Justiça que se isentou de participar da investigação sobre a Rússia, ou até sobre os fatos relacionados com um potencial complô entre a equipe de campanha de Trump e Moscou.

"Quando teve conhecimento da reunião na Trump Tower?", realizada em junho de 2016 entre membros da equipe de campanha de Trump e uma advogada russa, questiona o procurador especial. 

"Depois das renúncias, que esforços foram feitos para contactar Flynn sobre uma busca de imunidade, ou de uma possível anistia?", diz outra pergunta.

Segundo o ex-diretor do FBI James Comey, o presidente lhe pediu que abandonasse a investigação sobre seu ex-conselheiro de Segurança Nacional, que acabou sendo forçado a deixar o cargo.

Trump é 'moralmente inadequado' para ser presidente, diz ex-diretor do FBI

As perguntas não indicam, porém, que Trump seja considerado suspeito nessa investigação do procurador especial.

Segundo os advogados do presidente, há vários meses Mueller pensa em interrogar Trump no âmbito de suas investigações sobre a ingerência russa na campanha eleitoral de 2016.

Há duas semanas, o presidente recrutou outro advogado para o caso, o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani. "Faço isso, porque espero poder negociar um acordo que seja bom para o país e porque tenho muito respeito pelo presidente e por Robert Mueller", declarou Giuliani ao jornal "The Washington Post", ao ser convidado. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.