Veja a posição dos membros do Conselho de Segurança sobre Iraque

Uma resolução autorizando a guerra contra o Iraque terá de ser aprovada pelo menos por nove dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU. Mas o grupo dos cinco membros permanentes do conselho - EUA, Reino Unido, França, Rússia e China - têm o poder de vetar ou não uma decisão. Os outros dez países são eleitos pela ONU e cumprem um mandato de dois anos. Veja a posição de cada país sobre a questão do Iraque antes da apresentação do novo relatório sobre as inspeções da ONU. EUA (membro permanente)Afirma que o Iraque está desenvolvendo armas de destruição em massa e não está cooperando com os inspetores da ONU. O país quer que o CS constate que o Iraque não está cooperando com os termos da resolução 1.441 e autorize uma ação militar. Em conjunto com Reino Unido e Espanha, apresentou uma proposta de nova resolução que autorizaria uma guerra. Reino Unido (membro permanente)Sinaliza que prefere ter uma nova resolução autorizando a força, mas deve apoiar os EUA mesmo sem o aval da ONU. Rússia (membro permanente)No dia 5 de março, emitiu comunicado conjunto com a Alemanha e a França informando que a ONU não deve aceitar a resolução esboçada pelos EUA, Reino Unido e Espanha que autorizaria uma guerra. Mas diz que as inspeções não deverão durar indefinidamente. França (membro permanente)No dia 5 de março, emitiu comunicado conjunto com a Alemanha e a Rússia informando que a ONU não deve aceitar a resolução esboçada pelos EUA, Reino Unido e Espanha que autorizaria uma guerra. Mas diz que as inspeções não deverão durar indefinidamente. China (membro permanente)Defende a continuidade das inspeções e argumenta que não há necessidade de uma ação militar no momento. Angola, Camarões, Chile e Guiné (membros eleitos)Favoráveis ao desarmamento pacífico e não vêem necessidade de uma ação militar agora. Bulgária, México e Paquistão (membros eleitos)Defendem uma resolução pacífica, mas poderiam apoiar uma ação militar liderada pelos EUA sem autorização da ONU. Alemanha (membro eleito e presidente do CS)Assinou documento conjunto afirmando que não aceitará uma nova resolução, mas não quer as inspeções se prolonguem indefinidamente. Espanha (membro eleito)Acredita que o Iraque não está cooperando e apóia a posição dos EUA. Síria (membro eleito)Voz dissonante, afirma que o Iraque está cooperando e pede fim ao embargo imposto ao país desde o fim da Guerra do Golfo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.