Veja os principais pontos do plano de Bush

O pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, feito nesta segunda-feira, pediu algumas ações por parte dos palestinos, de Israel e dos Estados árabes. Veja oa principais pontos do plano de Bush para o Oriente Médio:Palestinos- Elegerem uma "nova e diferente liderança palestina" e adotar uma nova constituição com um parlamento plenipotenciário, governos locais e um poder judiciário independente. Os Estados Unidos e seus parceiros ajudariam a organizar eleições locais multipartidários até o fim do ano, com eleições nacionais a seguir.- Implementarem reformas financeiras, com auditoria independente para garantir um "operação honesta". Em troca, os Estados Unidos ampliaram sua ajuda humanitária.- Realizarem uma revisão, com supervisão externa, das forças policiais e de segurança para que estas sejam capazes de desmantelar grupos terroristas.- Após a adoção das medidas citadas acima, os palestinos poderão então contar com o apoio norte-americano para a criação de um Estado palestino provisório cujas fronteiras finais, capital e outros aspectos de sua soberania seriam negociados entre Israel e Palestina. O plano prevê um acordo final num prazo de três anos.Israel- Recuar suas forças na Cisjordânia às posições anteriores ao início da atual intifada e parar de construir casas para colonos judeus na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Em seguida, Israel deveria concordar com o recuo de suas tropas às linhas anteriores à Guerra dos Seis Dias, travada em 1967.- Restaurar a liberdade de ir e vir nas áreas palestinas para que as pessoas inocentes possam voltar a trabalhar e levar uma vida normal.- Repassar o dinheiro congelado que deveria ser enviado aos contribuintes palestinos "às mãos de pessoas honestas".- Questões referentes ao status de Jerusalém e ao direito de retorno dos refugiados palestinos ficam abertas a negociações.Estados árabes- Construir relações diplomáticos e comerciais mais próximas de Israel, levando "à total normalização das relações entre Israel e todo o mundo árabe".- Conter o fluxo de dinheiro, suprimentos e recrutamento para grupos considerados terroristas, como Hamas, Jihad Islâmica e Hezbollah, que buscam a destruição do Estado judeu. Bloquear o envio de suprimentos iranianos a estes grupos.- A Síria deve fechar campos de treinamento de terroristas e expulsar membros de organizações terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.