REUTERS/Sebastian Castaneda and Angela Ponce
REUTERS/Sebastian Castaneda and Angela Ponce

Vencedor de eleição presidencial no Peru herdará política instável

Com candidatos que não passam de 15% de intenção de voto, novo governo deve ser frágil para lidar com crises econômica e de saúde

Fernanda Simas, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2021 | 22h52

LIMA - Milhares de centros de votação abriram neste domingo, 11, no Peru para receber o voto de 25 milhões de eleitores em meio ao pico de casos e mortes por covid-19 e sem garantia de que a crise política no país terá fim

Com cerca de 15% do eleitorado dizendo que votaria em branco, segundo as últimas pesquisas eleitorais, e com nenhum dos 18 candidatos obtendo mais de 15% das intenções de voto, o fim da crise política, que já dura cinco anos e se agravou com a Lava Jato, não deve estar perto. Se nenhum candidato obtiver mais de 50% dos votos, será realizado segundo turno em 6 de junho.

“No melhor dos casos, o próximo presidente será eleito com poucos votos, não terá legitimidade, terá problemas de representação e o Congresso também será muito fragmentado. Continuamos tendo os mesmos problemas de antes”, explica ao Estadão o analista político peruano Carlos Meléndez. Em cinco anos, o Peru teve quatro presidentes e dois Congressos.

Dos 18 candidatos, 3 estão sob análise da promotoria, que coleta provas e depoimentos para levá-los a julgamento: o ex-presidente Ollanta Humala, Daniel Urresti, um general aposentado, e Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, e pivô de algumas das mais recentes crises políticas do Peru. 

Keiko ficou 16 meses em prisão preventiva, até maio de 2020, por envolvimento no esquema de propinas pagas pela empreiteira brasileira Odebrecht, que afetou também quatro ex-presidentes peruanos. Ela está sendo investigada por supostamente ter recebido contribuições ilegais da Odebrecht em suas campanhas presidenciais em 2011 e 2016.

Independente de quem assumir o poder, o próximo presidente deve ser o de mandato mais frágil da história recente do país, e terá de lidar com as crises econômica e de saúde decorrentes da pandemia do novo coronavírus

No sábado, foi registrado o recorde de 384 mortes por covid-19 em 24 horas, quase o dobro do número diário das 10 semanas anteriores, segundo o balanço oficial do Ministério da Saúde.

“Se Keiko ganhar, teremos uma condução do combate à pandemia mais para a direita, sem lockdown, com mais colaboração entre os setores privado e público. Seria um estilo mais parecido com o de (Jair) Bolsonaro. Ela tem uma visão pró-abertura. Se ganha um candidato de esquerda, teremos uma visão de que o Estado precisa conceder auxílio para quem precisa, para as pequenas empresas”, diz Meléndez.

Sem partidos políticos fortes e em uma nação onde o candidato importa mais que a ideologia, a boca de urna após a votação de primeiro turno neste domingo mostrava um cenário incerto, com quatro candidatos em empate técnico na segunda colocação.

“Eu não queria votar porque não há um candidato idôneo, mas fico com mais medo de que entre algum radical no governo”, afirmou à AFP Johnny Samaniego, morador de Lima de 51 anos, após votar no Estádio Nacional. A campanha política peruana foi marcada pela apatia e 28% do eleitorado se dizia indeciso sobre em quem votar.

Clima de pandemia

Muitos peruanos estavam com medo de ir votar e contrair o novo coronavírus, mas o voto no país é obrigatório e não cumpri-lo leva ao pagamento de multa de 88 soles (R$ 136), com isso, a população mais pobre não pode deixar de votar.

Enquanto alguns saíram para votar, dezenas fizeram fila diante de locais de venda ou doação de oxigênio em Lima para conseguir uma recarga para um parente com covid-19, observaram os jornalistas da France Press. 

“É injusto porque estamos aqui fazendo fila em vez de estarmos votando, temos de amanhecer aqui para receber um cilindro de oxigênio”, disse Marcela Lizama, de 38 anos, enquanto aguardava em um local do distrito de Villa El Salvador.

Apesar do medo de eleitores e do clima de tensão pela segunda onda da covid que assusta o país e vizinhos da América do Sul, vários candidatos presidenciais convocaram integrantes da equipe de campanha, simpatizantes e jornalistas para participarem de cafés da manhã neste domingo.

No início do período eleitoral, o Ministério da Saúde havia pedido que as campanhas priorizassem atividades virtuais para evitar aglomerações. Mas vários comícios foram realizados, ignorando as recomendações sanitárias. Três candidatos, entre eles o ex-goleiro George Forsyth, do partido de centro-direita Vitória Nacional, contraíram a covid-19 e não puderam votar. / COM AFP E NYT

Tudo o que sabemos sobre:
Peru [América do Sul]Keiko Fujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.